O número de alunos de MBA que opta por lançar um negócio próprio está a crescer em Portugal. Esta dinâmica empreendedora encontra eco nas escolas de negócios, que criam cada vez mais cadeiras que fornecem ferramentas e competências necessárias a quem envereda por esta via.

Big data & analytics e business intelligence em conjunto obrigam a repensar os processos empresariais. A tecnologia é um enabler para a transformação digital. E quais são as vantagens e os desafios deste ecossistema para as empresas? Os especialistas apontam alguns caminhos.

Do vasto leque de seguros obrigatórios o mais significativo é o seguro de acidentes de trabalho com uma produção global de 627 milhões de euros. Portugal e a Bélgica foram os únicos europeus que transferiram a responsabilidade do Estado para as seguradoras.

Atualmente, a telemática conquistou o protagonismo de força motriz da inovação na gestão de frotas e revela uma assinalável eficácia na redução de riscos e de custos.

Não há números consolidados do setor, mas existem em Portugal largas dezenas de centros de competências em tecnologias de informação. Empregam milhares de pessoas e prestam serviços a partir de Portugal para todo o mundo. Virá aí o ecossistemanearshore?

INEM, ANPC, Fundos de Garantia Automóvel e de Acidentes de Trabalho consomem 13% do custo do contrato Seguros estão isentos de IVA mas pagam Imposto de Selo

Concentração: Trivalor vai às compras. Negócios: Cibersegurança é coqueluche. Entraves: Dumping social é um flagelo

As PME portuguesas estão, cada vez mais, a ser convidadas,ou desafiadas, a descobrir porque se podem tornar os países latino-americanos marcos de sucesso nos seus processos de internacionalização. O convite, ou desafio, parte dos grandes protagonistas do desenvolvimento económico da América Latina.

Do caótico Bairro das Fontaínhas dos idos anos 70 já pouco ou nada resta. Grandes barreiras foram ultrapassadas e hoje, apesar de algumas carências subsistirem, o Centro Social assegura que a esperança continua a morar por aqui.

O mercado nacional dá claros sinais de que os riscos sísmicos e de catástrofes naturais, sobretudo envolvendo água, ganham terreno. Mas também os tecnológicos se perfilam para “abalar” a segurança das nossas casas.