Wall Street recupera com o foco a virar para os resultados trimestrais

As praças norte-americanas regressaram às subidas, numa sessão em que a expetativa sobre a época de resultados ofuscou os recentes receios relacionados com a geopolítica.

REUTERS/Brendan McDermid

As bolsas em Wall Street voltaram  do fim-de-semana prolongado com sentimento positivo e recuperaram das perdas de quinta-feira, quando o S&P 500 tinha fechado em mínimos de dois meses.

A sombra da geopolítica marcou os mercados norte-americanos na semana passada, com os investidores especialmente atentos à tensão entre os EUA e a Coreia do Norte, mas esta segunda-feira o foco passou para os resultados das grandes cotadas. O Goldman Sachs, a General Electric e a Johnson & Johnson estão entre as empresas que divulgam resultados esta semana.

A Netflix, que apresenta resultados após o fecho, subiu quase 3% e ajudou o S&P 500 a avançar 0,86% para 2.349,01 pontos. O industrial Dow Jones ganhou 0,9% para 20.636,92 pontos e o tecnológico Nasdaq valorizou 0,89% para fechar nos 5.856,79 pontos.

“Podemos acabar esta época de resultados com crescimento de dois dígitos, e esses são os únicos dados que nos deviam interessar, disse Art Hogan, chefe de estratégia de mercados na Wunderlich Securities em Nova Iorque, referindo-se ao facto dos mercados estarem a dar pouca atenção a dados económicos publicados na sexta-feira.

Segundo esses dados, a inflação nos EUA voltou a desacelerar, com o índice de preços no consumidor a ficar nos 2,4% nos doze meses que terminaram em março, enquanto as vendas do retalho diminuíram pelo segundo mês consecutivo, tendo registado uma descida de 0,2 pontos percentuais em março, depois de uma diminuição de 0,3 pontos percentuais em fevereiro.

A suportar o sentimento positivo estiveram os números do crescimento económico da China, que superaram as expetativas. A economia chinesa expandiu 6,9% entre janeiro e março, em termos homólogos, superando uma previsão de 6,8% numa sondagem da Bloomberg, para registar o melhor trimestre desde 2015.

 





Mais notícias