Wall Street fecha sessão no verde, ajudado por orçamento de Trump

Depois de a última semana ter sido tumultuosa, as principais bolsas norte-americanas contam já com duas sessões consecutivas no verde. A apresentação de um orçamento do Estado, que inclui um investimento ambicioso em infraestruturas, deu gás ao setor.

REUTERS/Brendan McDermid

As principais bolsas norte-americanas fecharam esta segunda-feira no verde, pela segunda sessão consecutiva, depois de a última semana ter sido de quedas e volatilidade. A abrangência dos ganhos em termos de índices e setores leva a crer que a confiança poderá estar a regressar a Wall Street, sendo que a apresentação do orçamento de Donald Trump está a ajudar.

“Sexta-feira houve uma baixa de médio prazo. Hoje estão a construir a partir do fundo”, explicou Adam Sarhan, diretor executivo da 50 Park Investments, em declarações à agência Reuters. “Há uma grande quantidade de posições curtas e uma grande quantidade de buy-the-dip a aparecerem hoje. A baixa de sexta-feira agora pode ser usada como um nível muito importante de apoio”.

Em Wall Street, o Dow Jones subiu 1,70% para 24.601,27 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq avançou 1,56% para 6.981,96 pontos. O financeiro S&P 500 ganhou 1,39% para 2.656,00 pontos, mas continua a contabilizar uma perda de 7,5% desde o máximo de sempre tocado a 26 de janeiro.

A grande generalidade dos setores fechou no verde, apesar de áreas mais sensíveis a subidas nas taxas de juro, como o imobiliário, utilities e telecomunicações, terem tido performances menos positivas.

Por outro lado, os setores da construção, materiais e indústria foram os maiores beneficiados, devido ao segundo orçamento de Donald Trump. O presidente apresentou, esta segunda-feira, um plano que inclui um investimento de 200 mil milhões de dólares em infraestruturas, até 2019.

Nos próximos 10 anos, a ideia é investir 1,5 biliões de dólares através de parcerias estatais, locais e privadas. A estes acrescem 23 mil milhões são para a construção do muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México. O S&P 500 Materials avançou 2,09% e o Dow Jones U.S. Basic Materials Index valorizou 2,24%.

No mercado cambial, o dólar depreciou contra as pares europeia (0,33% para 0,813 euros), britânica (0,07% para 0,722 libras) e japonesa (0,15% para 108,640 ienes).

Penalizadas pela expetativa quanto aos aumentos dos federal funds rates pela Reserva Federal dos EUA e pela incerteza sobre os valores da inflação de janeiro nos Estados Unidos, que serão conhecidos esta quarta-feira, os juros das Treasuries benchmark atingiram esta manhã os 2,9% pela primeira vez em quatro anos. Fecharam a sessão nos 2,86%.






Mais notícias
PUB
PUB
PUB