Venezuela: Aumento da mortalidade leva ao despedimento da ministra da Saúde

Ministra divulgou dados que comprovam que a mortalidade materna e infantil aumentaram drásticamente no ano passado. Em dois anos, esta foi a primeira vez que as autoridades da saúde divulgaram relatórios oficiais.

REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Nicólas Maduro, presidente da Venezuela, despediu a ministra da saúde Antonieta Caporale, depois de esta ter divulgado que os números da mortalidade infantil e materna aumentaram no país, bem como os casos de malária. A divulgação de relatórios oficiais não é uma prática habitual no sistema do país, sendo esta a primeira vez nos últimos dois anos que o ministério da saúde avançou dados de um relatório.

Foi no Twitter que o despedimento da responsável foi anunciado, assim como o escolhido para a substituir. “O presidente Nicolás Maduro designou o compatriota Luis Lopez novo ministro do Poder Popular para a Saúde”, publicou Tareck El Aissami, vice-presidente.

Relativamente à mortalidade materna, os dados do Ministério da Saúde, registam um aumentou de 66% em 2016, que representa 756 casos. Na mortalidade infantil, o aumento foi de 30%, tendo morrido 11466 crianças nesse período. Em 2016 foram ainda diagnosticados cerca de 240 mil doentes, o que representa um aumento de 76%.

A Venezuela é palco de uma crise social e política que tem originado escassez de produtos e afeta grandemente a área da saúde. Eugenia Morin, venezuelana, disse à CNN, durante uma manifestação, que “não há mantimentos para atender às urgências mais básicas. Se precisas de ser operado hoje em dia tens de levar os teus próprios medicamentos para o hospital”. Em junho, existia escassez em mais de 80% dos medicamentos no país.

 

Mais notícias
PUB
PUB
PUB