Turistas denunciam serviços portugueses para receberem indemnizações

Número de queixas e reclmações aos serviços portuguesas registou um aumento de mais de 520% de 2013 para 2016.

O número de queixas e reclmações aos serviços portugueses registou um aumento de mais de 520% de 2013 para 2016. No entanto, há suspeitas de que essas declarações sejam falsas, de acordo com o Associação de Agências de Viagens Britânica (ABTA na sigla inglesa) que sustenta que essas reclamações são incentivadas por companhias que pretendem lucrar com uma percentagem da indemnização, segundo a Lusa, divulgada pelos meios.

No seguimento dessas suspeitas, o governo britânico tomou medidas e alertou os turistas para o risco de uma participação fraudulenta.

“Houve relatos de um aumento de turistas encorajados a apresentar uma participação por danos pessoais caso tenham tido uma doença gástrica durante a estada”, lê-se no site do ministério. “Só deve ser considerada uma queixa ou reclamação se contraiu um problema ou uma doença. Se fizer uma participação falsa ou fraudulenta, pode ser alvo de procedimentos legais no Reino Unido ou em Portugal”.

“Os consumidores devem ter muito cuidado com qualquer empresa que os aborde e os encoraje a fazer uma reclamação desonesta ou exagerada. É ilegal fazer queixas fraudulentas e as agências de viagens estão cada vez mais atentas a identificar sinais indicadores de queixas exageradas ou desonestas”, disse a porta-voz da ABTA à Lusa, divulgada pela comunicação.

A organização refere que os países mais afetados por este tipo de esquema são Portugal, Espanha e Turquia.

“Estas queixas fictícias estão a custar montantes substanciais de dinheiro aos operadores de viagens e hotéis e se esta prática continuar pode acabar por ter um impacto nos preços das viagens. Já está a lesar a reputação dos turistas britânicos no estrangeiro”, acrecsentou a mesma porta-voz.

 

 

PUB
PUB
PUB