Suécia: Bancários substituídos por robôs não vão ficar desempregados, garante regulador

“O desemprego é muito baixo na Suécia, o setor financeiro está a crescer, a economia é forte”, argumenta o vice-diretor geral da Autoridade de Supervisão Financeira da Suécia, Martin Noreus,

O regulador financeiro da Suécia afirma que a indústria financeira do país está a crescer a um ritmo rápido o suficiente para garantir que os milhares de executivos e de bancários que vão ser substituídos por robôs ainda sejam necessários.

“O desemprego é muito baixo na Suécia, o setor financeiro está a crescer, a economia é forte”, disse o vice-diretor geral da Autoridade de Supervisão Financeira da Suécia, Martin Noreus, numa entrevista à Bloomberg. Segundo explicou à agência, em declarações proferidas em Estocolmo, a maioria dos trabalhadores dos bancos afetados não terá dificuldade em encontrar novos postos de trabalho no setor financeiro.

“Tem de aceitar que às vezes as empresas precisam de se reorganizar e reestruturar, de se adaptar ao desenvolvimento tecnológico e isso levará a mudanças e, é claro, deve-se estar ciente de que isso pode ser muito doloroso para as empresas e os funcionários. Porém, é uma consequência natural do desenvolvimento económico”, justificou o responsável do regulador.

De acordo com um estudo da consultora Oliver Wyman, divulgado no início do mês passado, entre 2011 e 2016, verificou-se uma redução significativa do número de agências (-21%) e de colaboradores (-20%) nos bancos portugueses.

Segundo as estimativas da empresa, 30% dos bancos estão focados em medidas “tradicionais” de redução de custos, como por exemplo a reorganização e a redução de postos de trabalho equivalentes a tempo inteiro, 40% estão empenhados na reengenharia digital e outros 30% optam por seguir os dois caminhos.

No ano passado, cerca de dois mil trabalhadores saíram dos cinco principais bancos a operar em Portugal, nomeadamente a Caixa Geral de Depósitos, o BCP, o Santander Totta, o Novo Banco e o BPI, quase o dobro dos cortes de postos de trabalho feitos em 2015.





Mais notícias