Rui Moreira: “Não podíamos deixar que a nossa candidatura fosse contaminada”

Autarca portuense pronunciou-se sobre prescindir do apoio do Partido Socialista (PS) à sua recandidatura.

O presidente da Câmara do Porto e candidato independente às eleições de 1 de outubro, Rui Moreira, disse que não podia permitir que a sua candidatura “fosse contaminada ou apropriada por alguém”, em entrevista ao Observador.

O autarca portuense pronunciou-se sobre o prescindir de apoio do Partido Socialista (PS) à sua recandidatura.

Ainda que reconheça que “hoje o caminho para uma eventual vitória nas eleições é muito mais díficil do que era há quinze dias atrás”, Rui Moreira não se sentiu confortável com o apoio anunciado, já que “parecia que afinal era uma candidatura do PS, determinada pelo PS, e que era apoiada pelo movimento independente”, acrescentando que “esta é a lógica dos partidos. Não é a nossa”.

Sobre o acordo com Manuel Pizzarro realça que “havia várias conversas com Manuel Pizarro no sentido de contactarmos algumas pessoas que de facto eram do espectro do PS. Mas que fique claro: era perfeitamente legítima a expetativa do dr. Manuel Pizarro de ser número dois da lista”, diz Rui Moreira.

O autarca da Câmara Muncipal do Porto prescindiu do apoio do PS para concorrer a novo mandato na presidência portuense. Por este motivo, a concelhia do PS decidiu retirar o apoio a Rui Moreira e apresentar um candidato próprio à Câmara do Porto: Manuel Pizarro, atual vereador socialista na Câmara do Porto.

PUB
PUB
PUB