Queijos de Portugal disputam nona edição de concurso nacional

Na edição do ano passado, o concurso contou com a participação de 59 empresas (27 associadas e 32 não associadas da ANIL), 20 categorias e 206 queijos em prova.

Os Queijos de Portugal estão desde hoje na nona edição do concurso nacional, cujos vencedores serão revelados no final do mês, na FIL, no Parque das Nações, em Lisboa, no próximo dia 30 de outubro.

A competição está a ter lugar em Tondela e termina amanhã, dia 13 de outubro.

Este concurso é promovido pela ANIL – Associação Nacional dos Industriais de Lacticínios e tem o alto patrocínio do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural e do Governo Regional dos Açores.

“De produção 100% portuguesa, são quase duas centenas as referências de queijo que esta semana vão a concurso naquela que é 9.ª edição do desafio que elege os melhores ‘Queijos de Portugal’”, sublinha um comunicado da organização deste evento.

As inscrições já terminaram e os fabricantes de queijo em Portugal puderam submeter os seus produtos em 21 categorias diversas.

“A ANIL decidiu, este ano, apresentar uma nova categoria: ‘Queijo Fresco Atabafado’. Com origem maioritariamente alentejana e algarvia, este é um queijo fresco produzido com leite de cabra ou mistura de leite de cabra e vaca, que foi submetido a tratamento térmico superior ao da pasteurização”, explica o referido comunicado.

A cerimónia de anúncio e entrega de prémios está agendada para segunda-feira, dia 30 de Outubro, às 15h30, tendo lugar no Pavilhão 4 da FIL, no Parque das Nações, em Lisboa.

Vai ser a estreia neste local, ao integrar o programa oficial da primeira edição do ‘Grandes Escolhas – Vinhos & Sabores’, evento que aí se realiza de 27 a 30 de Outubro.

“Com o objectivo de estimular a produção, de promover e divulgar os queijos de qualidade elaborados em Portugal, a ANIL lançou este desafio em 2009, já com a atribuição, por categoria a concurso, do galardão “Melhor Queijo” com o respectivo ano, ao vencedor, e da “Menção Honrosa”, aos restantes dois finalistas”, sublinha o comunicado.

Na primeira edição apresentaram-se a 57 marcas a concurso, inseridas em quatro categorias (Flamengo, Ovelha, Cabra e Mistura). Oito anos volvidos, ou seja, na edição de 2016, já noutro formato, o desafio contou com a participação de 59 empresas (27 associadas e 32 não associadas da ANIL), 20 categorias e 206 queijos a Concurso, o que denota a importância que tem vindo a assumir no panorama nacional, em grande parte justificada pela sua comprovada credibilidade e isenção.

“O sucesso do Concurso ‘Queijos de Portugal’ ganha força graças à qualidade do painel de jurados, que envolve uma avaliação objectiva e técnica por parte de provadores especialistas com formação específica, representando o sector queijeiro, entidades da administração pública com ligação às vertentes agroalimentar, gastronómica e de distribuição, imprensa e consumidores”, conclui o comunicado da organização.

 



Mais notícias