Produção da EDP cai 6%, mas capacidade sobe com renováveis

A quebra na produção entre janeiro e junho foi explicada pela elétrica com menores recursos hídricos na Península Ibérica e uma maior produção eólica resultante do aumento de capacidade e maior fator de utilização médio.

Cristina Bernardo

A produção total da EDP caiu 6% no primeiro semestre do ano, em comparação com o mesmo período de 2016. A queda deve-se em parte à diminuição dos recursos hídricos e a uma representativa menor no Brasil, segundo informou a elétrica à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) esta sexta-feira.

A quebra na produção da EDP entre janeiro e junho foi “reflexo de menores recursos hídricos na Ibéria (em Portugal, volumes hídricos foram 42% abaixo da média vs. 68% acima no primeiro semestre de 2016), e maior produção eólica resultante do aumento de capacidade e maior factor de utilização médio”, de acordo com o comunicado.

No Brasil, a produção de eletricidade acumulou uma descida de 12% face ao período homólogo, “resultado de uma diminuição da produção hídrica e térmica”. A distribuição de eletricidade caiu 0,3% devido a uma queda de 33% na procura do setor industrial com a migração de clientes do mercado regulado para o livre durante 2016 e os primeiros seis meses do ano.

Por outro lado, a capacidade instalada da EDP aumentou 6,9%, em resultado de 707 megawatts de nova capacidade eólica, principalmente nos EUA, bem como de nova capacidade hídrica em Portugal, fruto da entrada em operação das centrais de Venda Nova III e Foz Tua.

“A produção hídrica e eólica representou 60% da produção total”, refere a EDP. “A eletricidade distribuída em Portugal aumentou 0,7% no primeiro semestre de 2017, refletindo um aumento na procura durante no trimestre”.

Já a distribuição de gás aumentou 7% em comparação com o primeiro semestre de 2016, “reflectindo essencialmente um crescimento de 9% no gás distribuído em Espanha, fruto de um aumento dos volumes tanto nos clientes industriais, no Norte de Espanha, como nos clientes residenciais em resultado das baixas temperaturas durante o primeiro trimestre de 2017”.

A EDP vai apresentar os resultados do primeiro semestre do ano no próximo dia 27 de julho de após o fecho do mercado. No dia seguinte, a elétrica vai organizar uma conference call com o CEO, António Mexia, às 11h30.





Mais notícias