Praça lisboeta chega a meio da sessão em terreno positivo. BCP continua a destacar-se

O PSI 20, soma 0,29%, para os 5.454,41 pontos. BCP, um dos pesos-pesados do PSI 20, é a cotada que mais valoriza, somando 2,42%, para 0,2920 euros.

Simon Dawson/Reuters

A praça lisboeta chegou a meio da sessão desta terça-feira em terreno positivo. O principal índice bolsista nacional, o PSI 20, soma 0,29% para os 5.454,41 pontos, acompanhando a tendência altista verificada nas principais praças europeias. BCP e EDP são os destaques da manhã.

O BCP, um dos pesos-pesados do PSI 20, é a cotada que mais valoriza, somando 2,42%, para 0,2920 euros.

“O BCP é o título que puxa pelo PSI 20 nesta terça-feira, mostrando o maior volume negociado e a maior valorização do dia, sendo um ativo interessante para negociação intraday e mantém a tendência positiva de longo prazo, desde que continue a cotar acima dos 0,28 euros”, explicou a gestora da corretora XTB Carla Santos, ao Jornal Económico.

A Navigator também surge como a segunda cotada com maior volume negociado e cresce agora 1,77%, para 4,6040

A energética EDP é outro dos destaques da manhã, ao chegar a meio da sessão a avançar 1,36%. É a cotada mais transacionada.

A EDP Renováveis cresce 0,20%, para 7,4150 euros, e a Galp Energia valoriza 0,86%, para 15,2000 euros.

A cair continua os CTT, que desvalorizam 1,12 %, para 3,0510 euros. Também em terreno negativo segue a NOS que recua 3,29%, para 4,9320 euros.

Nas praças europeias, alemão DAX soma 0,02%, o francês CAC 40 ganha 0,30%, , o espanhol IBEX 35 avança 0,80%, o italiano FTSE MIB valoriza 0,38% e o holandês AEX ganha 0,12%. O britânico FTSE 100 cai 0,24%.

“Ontem, o Nasdaq 100 voltou a fazer um novo máximo histórico com as cinco tecnológicas FAANG [Facebook, Apple, Amazon, Netflix e Alphabet] na mira dos investidores, sendo consideradas empresas capazes de gerar mais valor”, referiu a gestora da XTB. Carla Santos considerou ainda que, por outro lado, “os outros índices norte-americanos recuaram, uma vez que têm um peso maior de empresas industriais e os receios quanto à criação de impostos à importação de aço e alumínio continuam a condicionar o comportamento de empresas dependentes destas matérias-primas”.

Esta terça-feira, a atenção dos mercados está na divulgação dos dados da inflação nos EUA, “uma vez que este dado tem grande relevância na politica monetária”. “Se o Índice de Preços no Consumidor sair acima do esperado poderemos ter uma reação negativa dos mercados, tanto norte-americanos, como europeus por contágio”, alertou.

No mercado petrolífero, o Brent cai agora 0,38% para os 64,70 dólares por barril e o crude WTI desce 0,33% para os 61,16 dólares.

No mercado cambial, o euro valoriza 0,15% face ao dólar, para 1,2327 dólares.

Carla Santos explicou que “depois dos dados de emprego da semana passada, o dólar está finalmente a ganhar mais força, o que faz o EUR/USD cair”. “Desde então, o par tem vindo a consolidar, mantendo a negociação abaixo dos 38,2% de fibonacci da queda de sexta-feira. Com os dados de hoje de inflação, poderemos ver uma nova valorização do dólar. Assim, a ideia será vender EURUSD com stop nos 1,2350 e take profit nos 1,22752, concluiu.

[Dados das 12h20]

PSI 20 segue em alta, com BCP e EDP em destaque




Mais notícias
PUB
PUB
PUB