Portugal tem maior taxa de abandono do secundário de toda a OCDE

35% dos estudantes portugueses deixa o ensino secundário sem o acabar, revela o relatório Education at a Glance 2017, hoje divulgado. A média dos países abrangidos pelo estudo é de 21%.

Portugal é o pior entre os 35 membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) no que respeita ao abandono do ensino secundário: 35% dos estudantes portugueses deixa as escolas sem um diploma, revela o relatório Education at a Glance 2017, hoje divulgado. A média dos países abrangidos pelo estudo é de 21%.

O facto tem consequências várias, sobretudo a nível do emprego. Segundo o relatório, a taxa de desemprego é de 9% para quem tem entre 25 e 34 anos e o  ensino secundário completo, uma percentagem que sobe para 17% para quem tem a mesma idade e não concluiu esse grau de ensino.

Terminar o ensino secundário, que vai do 10.º ao 12.º, continua a ser um desafio ciclópico em Portugal, mesmo para quem não abandona a escola. Segundo a OCDE, somente metade dos estudantes que conseguem terminar o secundário nos três anos que lhe são devidos, contra 68% dos restantes países da organização.

Em Portugal, 61% dos estudantes levam cinco anos a acabar o secundário; 35%, como vimos, desistem e  4% ainda estão inscritos tentando terminá-lo.

O ensino profissional apresenta melhores resultados do que os cursos científico-humanísticos, refere ainda o estudo. Enquanto, nos programas gerais 59% conclui este nível, no ensino profissional, a percentagem sobe para 64%.

O único indicador onde Portugal se destaca positivamente é na conclusão do ensino secundário por maiores de 25 anos. No período de dez anos ( 2005/2015), o número dos alunos que concluíram este grau de ensino subiu de 50% para 82%, o que representa uma melhoria de 32 pontos percentuais, sendo de longe o melhor desempenho de toda a OCDE.

O estudo foi realizado em 2015 incidindo sobre a população entre os 15 e os 20 anos, isto é, em idade de frequentar o ensino secundário. Os primeiros alunos abrangidos pela escolaridade obrigatória até aos 18 anos chegaram ao fim do 12.º ano no ano letivo 2014/2015.



Mais notícias