Porque é que o BCE compra menos dívida portuguesa? Constâncio explica

Vice-presidente do BCE justificou as menores compras de ativos de Portugal.

Vítor Constâncio esteve a ser ouvido na Comissão de Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, em Bruxelas, e foi questionado pelo eurodeputado Pedro Silva Pereira, do PS, quanto à redução pelo BCE do montante de compras de ativos em alguns Estados-membros.

Em resposta, o vice-presidente do BCE afirmou que não há diferenças entre os Estados-membros e que para cada um é definido um volume de aquisição para o total do programa, realçando que o que acontece no caso de alguns países, como Portugal, é que as compras de dívida já feitas em 2010 e 2011 “contam para o ‘stock'” total.

Assim, o volume comprado é “recalibrado” de modo ao volume máximo não ser excedido e poder haver compras de ativos até ao fim do programa, previsto para final de 2017.

O BCE comprou em março 663 milhões de euros em dívida pública portuguesa, recuperando ligeiramente face a fevereiro (656 milhões), quando adquiriu o valor mais baixo desde o início do programa de compra de ativos.

Desde março de 2015, quando o BCE iniciou o programa de compra de ativos (o chamado ‘quantitative easing’), Frankfurt já adquiriu um montante de 26.617 milhões de euros em ativos da dívida pública de Portugal.

Mais notícias
PUB
PUB
PUB