PIB cresceu 1,9% no final de 2016

O crescimento económico no conjunto de 2016 foi de 1,4%, acima das expetativas do Governo e de Bruxelas, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

O crescimento da economia portuguesa foi de 1,4% no conjunto de 2016, segundo dados publicados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). No último trimestre do ano, o Produto Interno Bruto (PIB) fixou-se nos 1,9%, em relação ao período homólogo, e nos 1,6% face ao trimestre anterior.

“Esta aceleração do PIB resultou do aumento do contributo da procura interna, observando-se uma recuperação do Investimento e um crescimento mais intenso do consumo privado”, refere a estimativa rápida do INE, que será revista com os valores finais no início do próximo mês.

“O contributo da procura externa líquida foi negativo, contrariamente ao observado no trimestre anterior, refletindo a aceleração mais acentuada das Importações de Bens e Serviços em volume que a das Exportações de Bens e Serviços”.

O último trimestre é tradicionalmente um período de maior dinamismo económico, devido ao pagamento do subsídio de Natal e as compras da época festiva. Os gastos dos consumidores aumentam e as empresas têm mais receitas.

A este dinamismo, acresce este ano a devolução de rendimentos iniciada no ano passado. A sobretaxa de IRS foi aliviada e os vencimentos dos funcionários públicos foram devolvidos de forma faseada. Com o desempenho das exportações, a taxa de crescimento anual do PIB fica, assim, acima dos 1,2% estimados pelo Governo no Orçamento do Estado apresentado em outubro.

A Comissão Europeia também reviu esta segunda-feira em alta a estimativa de crescimento do PIB português, prevendo uma subida de 1,3% em 2016. Apesar de a previsão de Bruxelas ficar acima da do Governo, o valor significa um abrandamento do crescimento económico face ao ano anterior, quando o PIB acelerou 1,5%.

“O forte desempenho na segunda metade de 2016, especialmente do turismo, melhorou as perspetivas do economia portuguesa. O investimento tímido tem pesado negativamente no crescimento mas prevê-se que recupere”, justificou ontem a Comissão Europeia.

Para 2017, as previsões económicas de Inverno de Bruxelas prevêm que a economia cresça 1,6%, enquanto o Governo, no Orçamento do Estado para 2017, assumiu um crescimento do PIB de 1,5%. Já para 2018, a Comissão Europeia estima uma ligeira desaceleração do ritmo de crescimento, para 1,5%.

Mais notícias
PUB
PUB
PUB