PCP questiona Ministério da Saúde sobre ensaios clínicos com canábis

A questão do PCP surge na sequência de um projeto de resolução de 2015, em que os comunitas recomendavam que o Governo estudasse a utilização da canábis para fins medicinais.

O Partido Comunista Português (PCP) questionou o Ministério da Saúde a fim de saber se Portugal fez ou está a fazer investigação e ensaios clínicos relacionados com o uso da canábis para fins medicinais, informa o “Público” esta quinta-feira.

Esta e outras questões foram enviadas na quarta-feira ao Ministério da Saúde, por iniciativa das deputadas Carla Cruz e Paula Santos, na sequência de um projeto de resolução de 2015, em que o PCP recomendava que o Governo estudasse a utilização da canábis para fins medicinais. Os comunistas querem saber “se desde 2015 existem atualizações importantes de informação”.

No conjunto de questões colocada à tutela, o PCP questiona também sobre a existência de novos estudos, se foi autorizada a comercialização de novos medicamentos à base do extrato de canábis e se houve alguma situação em que a prescrição deste tipo de medicamentos tenha sido impedida ou condicionada.

“São esclarecimentos fundamentais para um debate que é necessário ter e para separar claramente o uso terapêutico do uso recreativo”, disse Carla Cruz, deputada do PCP na Assembleia da República, ao “Público”.

O consumo de canábis, recreativo ou medicinal, tem há muito um estigma associado. Sobre a questão sabe-se no final deste ano que o Bloco de Esquerda vai avançar com um projeto de legalização do uso medicinal de canábis em 2018, porque, segundo o deputado Moisés Ferreira a “ilegalidade da canábis traz riscos de saúde pública“.






Mais notícias
PUB
PUB
PUB