Metro de Lisboa pára a 1 e 3 de agosto

O sindicato que representa os trabalhadores do Metro de Lisboa agendou duas greves de 24 horas para os dias 1 e 3 de agosto. Mas a decisão será tomada no dia 25 de julho, diz a Fectrans.

Queixando-se do “clima de confronto” na empresa e da “alteração unilateral das regras de prestação de trabalho e horários”, os trabalhadores do Metro de Lisboa têm agendadas para os dias 1 e 3 de agosto duas greves de 24 horas, como forma de luta.

Em comunicado, a Fectrans – Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações declara que “o governo do PS e a administração do ML [Metro de Lisboa], em vez de se empenharem em resolver os graves problemas herdados do governo anterior (PSD+CDS), têm optado nesta empresa por um clima de confronto, através de alteração unilateral das regras de prestação de trabalho e horários, quando o que se precisa é que sejam admitidos os trabalhadores que são necessários, se dote a empresa do material circulante adequado, se melhorem as condições nas estações e que se respeitem os trabalhadores que são aqueles que, diariamente, fazem tudo para, nas condições atuais, se consiga ter um serviço público com os padrões mínimos de qualidade”.

No mesmo comunicado, o Fectrans refere que a decisão final sobre a greve será tomada a 25 de julho.

Além deste sindicato, associam-se a este anúncio de greve a Federação dos Trabalhadores da Tracção do Metropolitano; da Manutenção, dos Trabalhadores dos Transportes e dos Trabalhadores do Metropolitano, segundo o jornal Público.

O anúncio destas duas greves surge na véspera do encerramento da estação de Arroios, para obras de reabilitação, o que demorará um ano e meio. Assim, e já a partir de dia 19 de julho, quarta-feira, a circulação na Linha Verde do Metro de Lisboa passará a ser feita com comboios de seis carruagens.





Mais notícias