Merkel não quer Turquia na UE e é acusada de ceder ao populismo

Conselheira sénior para assuntos internacionais do presidente da República da Turquia, Gulnur Aybet, acredita que os candidatos às eleições na Alemanha estão a usar a Turquia para ganhar votos.

A conselheira sénior para assuntos internacionais do presidente da República da Turquia acusou a chanceler alemã de estar a ceder ao populismo e a usar o país para ganhar votos. As afirmações de Gulnur Aybet aconteceram depois de Angela Merkel ter defendido, na segunda-feira, que a União Europeia suspenda ou cancele a candidatura da Turquia para entrar no bloco.

Os políticos alemães estão, segundo Gulnur Aybet, a usar a Turquia para ganhar votos nas eleições marcadas para 24 de setembro, referindo-se não só a Merkel, mas também a Martin Schulz.

“Obviamente, brincadeiras populistas em que os candidatos competem uns com os outros sobre quem consegue criticar mais a Turquia, efetivamente vende melhor na política alemã que as questões reais relacionadas com a UE, como o Brexit”, disse Aybet em declarações à agência Bloomberg.

A lira turca e as obrigações do país estão a ser penalizadas pelas declarações dos dois candidatos, que criticaram Erdogan. No entanto, Aybet acredita que a UE vai continuar a apoiar o seu país. “A Alemanha não é a UE. Não interessam os desentendimentos que a Alemanha tem com a Turquia, a UE não quer perder a Turquia”, disse. “A Turquia não é só um candidato, mas um parceiro estratégico para a UE”.





Mais notícias
PUB
PUB
PUB