Mais de metade das linhas de comboio está em mau estado

Um relatório da Infraestruturas de Portugal (IP) mostra que os descarrilamentos dos últimos anos ocorreram em linhas a precisarem de intervenção e indica que o pior troço está entre Ovar e Gaia.

Quase 60% das vias férreas portuguesas estão em mau estado e a maioria dos troços aguarda por modernização há vários anos. Um relatório da Infraestruturas de Portugal (IP) mostra que os descarrilamentos dos últimos anos ocorreram em linhas a precisarem de intervenção e indica que o pior troço está entre Ovar e Gaia, noticia o jornal “Público”.

Todos os troços que aguardam por modernização estão classificados pela IP como medíocres e terá sido aí que os descarrilamentos dos últimos anos aconteceram. É o caso da linha da Beira Alta, que tem metade do seu percurso classificado como medíocre. Em conjunto com a linha do Douro, a linha da Beira Alta é responsável pelo maior número de ocorrência (65%).

Ainda assim, o pior troço é o que liga Ovar e Gaia e a IP destaca a necessidade de “intervenção urgente” na linha. O relatório, datado de maio de 2017, atribuiu-lhe a classificação de 1,9 (mau) numa escala de 1 a 8, considerando que “a vida útil dos ativos neste troço da Linha do Norte há muito que foi excedida e qualquer tipo de intervenção de manutenção produz efeitos pouco duradouros”.

Na rede suburbana, Lisboa aparece com pior classificação do que o Porto. O relatório da IP aponta as linhas de Cascais e a da Cintura (Alcântara Terra-Braço de Prata) como medíocres. O relatório indica que o mau estado das vias férreas tem “correlação direta com a existência de um passivo de renovação ou défice de conservação”, fruto das restrições orçamentais impostas durante a troika.




Mais notícias
PUB
PUB
PUB