Inflação (ainda que fraca) impulsiona ganhos em Wall Street

Mercados norte-americanos reagem em alta num dia de divulgação de dados importantes na Europa, com o otimismo gerado pela divulgação dos dados sobre os preços ao consumidor nos Estados Unidos relativos a setembro, que registaram a maior subida em oito meses.

As principais praças acionistas dos Estados Unidos negoceiam no verde esta sexta-feira. Os mercados norte-americanos reagem em alta num dia de divulgação de dados importantes na Europa, com o otimismo gerado pela divulgação dos dados sobre os preços ao consumidor nos Estados Unidos relativos a setembro, que registaram a maior subida em oito meses.

O índice de referência mundial, o industrial Dow Jones, inicia sessão a subir 0,15% para 22.874,50 pontos e o financeiro Standard & Poor’s 500 a somar 0,11% para 2.553,78 pontos e o mercado tecnológico Nasdaq Composite regista uma variação positiva de 0,24% para 6.607,65 pontos.

Segundo o Departamento do Trabalho, os preços ao consumidor aumentaram em setembro 0,5%, um ponto percentual acima da registada no mês anterior. Este aumento dos preços ao consumidor foi impulsionados sobretudo pela subida no valor dos combustíveis, devido ao rasto de destruição deixado pelos furacões Harvey e Irma, que obrigou a parar a produção e refinação de petróleo durante alguns dias.

No entanto, a inflação permaneceu fraca. A média da inflação anual aumentou para 2,2%, quando em agosto se tinha fixado nos 1,9%, mas ainda assim os analistas esperavam uma subida na inflação para os 2,3%.

No mercado petrolífero, o brent sobe 1,69% para os 57,20 dólares por barril e o crude ganha 1,68% para os 51,45 dólares.

No mercado cambial, o euro valoriza 0,28% para 1,186 dólares e a libra regista ganhos de 0,36% para 1,331 dólares.



Mais notícias