Impostos mais baixos da Europa: Investigação mostra Malta como destino de eleição

Investigação 'Malta Files' revela que a ilha tornou-se um paraíso para empresas e empresários que beneficiam do regime fiscal da ilha

A ilha de Malta tornou-se um refúgio fiscal dentro da União Europeia. A conclusão é de uma investigação do consórcio EIC (European Investigative Collaborations), do qual o jornal Expresso faz parte.

O projeto de investigação ‘Malta Files’ revela que a ilha tornou-se um paraíso para empresas e empresários que beneficiam do regime fiscal da ilha.

Telefonica, Mapfre, BMW, LufthansIma, Puma ou o gigante químico alemão BASF são algumas das empresas que o jornal espanhol El Mundo aponta como estando alegadamente a beneficiar deste regime.

A revista Der Spiegel teve acesso a uma milhares de documentos de uma empresa criada em Malta, a Credence Corporate & Advisory Services, que serviu de base para esta investigação.

O El Mundo explica que se pode pode abrir uma empresa em Malta, do modelo mais simples, em 24 horas, com um depósito mínimo de 1.200 euros. Oficialmente o imposto maltês é de 35%, o mais elevado da UE. Contudo, o jornal espanhol aponta que “um sistema de imputação e devolução como um crédito fiscal para os acionistas de empresas de Malta permite, em muitos casos, que a tributação efetiva dos lucros seja reduzida para 5%”. 

Mais notícias
PUB
PUB
PUB