Galp anuncia entrada em produção de navio-plataforma no Brasil

Segundo os analistas do Caixa BI a nova unidade irá beneficiar das excelente condições dos reservatórios do campo Lula/Iracema, permitindo suportar elevados níveis de produtividade. A Galp detém 10% do projeto.

A Galp Energia anunciou a entrada em produção da primeira unidade replicante  no campo Lula/Iracema no Brasil, um projeto liderado pela Petrobras e no qual a empresa portuguesa em uma participação de 10%.

“Esta é a sétima unidade a entrar em operação no campo Lula/Iracema, em apenas seis anos, e a primeira unidade replicante a iniciar produção”, referiu a Galp em comunicado.

“A replicação de unidades FPSO [unidades flutuante de produção, armazenamento e transferência de petróleo] é um conceito inovador a ser implementado pelo consórcio para a construção de seis FPSOs semelhantes concebidas especialmente para operar em projetos do pré-sal da bacia de Santos, com capacidade para processar diariamente 150 mil barris de petróleo e 6 milhões de m3 de gás natural”, explicou.

A petrolífera portuguesa tem participações minoritárias em vários projetos do pré-sal na bacia de Santos no Brasil, país que a Galp vê como o principal motor de investimento e crescimento nos próximos anos.

A Galp adiantou que está previsto que a unidade seja interligada a um total de dez poços produtores e oito injetores. A FPSO encontra-se a aproximadamente 290 km da costa do estado do Rio de Janeiro, ancorada a uma profundidade de água de 2.150 metros.

O Caixa BI referiu, no Equity Daily, que “esta unidade irá beneficiar das excelente condições dos
reservatórios do campo Lula permitindo suportar elevados níveis de produtividade, que deverão continuar a crescer”.

A Petrobras é a operadora do campo Lula/Iracema com uma participação de 65%, cabendo à BG E&P Brasil, subsidiária da Royal Dutch Shell, os restantes 25%.

As ações da Galp tomba 3,10% para 13,905 euros, uma queda praticamente linha com o índice Stoxx Europe 600 Oil & Gas, num dia em que o preço do barril de Brent desvaloriza 1,50% para 51,44 dólares.

Mais notícias