Facebook, Twitter, Instagram: três regras para manter as suas redes sociais seguras

Se é fã de redes sociais mas preza acima de tudo a segurança online, deve seguir estes três passos. Hoje é o Dia da Internet Segura.

Este é um dia designado para promover a segurança, a responsabilidade e a utilização segura da tecnologia digital entre crianças e jovens. Como qualquer tecnologia, a internet e o software nela executado tem vários bugs, e há muito que pode ser corrigido e melhorado para manter os jovens seguros.

A internet e as suas redes sociais são impulsionadas e moldadas pelo modo como as utilizamos. As crianças não estão a herdar apenas a tecnologia, mas também a cultura e os comportamentos. E é por essa razão que a Sophos reuniu três dicas de segurança essenciais que podemos implementar nas nossas redes sociais:

Ative o 2FA (two-factor authentication)
O 2FA (two-factor authentication) mantém a sua conta segura e protegida mesmo que a sua password seja pouco segura ou tenha sido roubada. Ao colocar um código juntamente com a sua password no momento do login, irá obter uma atualização imediata, permanente e segura que torna as suas contas mais difíceis de atacar.
Neste momento pode estar a pensar que isto é algo que faz pelo seu bem, e não pelos outros na sua rede social. E é, mas perder o controlo da sua conta do Facebook ou do Twitter para possíveis criminosos não o afeta só a si. Perdeu a sua conta, mas os seus amigos e colegas que fazem parte das redes onde está presente correm perigo por estar alguém a fazer-se passar por si.
As redes sociais mais populares como o Facebook, o Twitter, o Instagram e o Snapchat fizeram a sua parte e tornaram a autenticação de dois fatores disponível, mas cabe-nos a nós utilizá-la.

Tenha um bom comportamento
É fácil sugerir listas de coisas que as redes sociais deveriam fazer para tornar as nossas vidas mais simples ao controlarem e regularem os comportamentos de outras pessoas. É muito mais difícil, mas talvez muito mais importante olharmos criticamente para nós próprios e questionarmo-nos sobre como podemos controlar e regular o nosso próprio comportamento.
“Controlar e regular” pode parecer complicado, mas não deveria ser porque é exatamente o que fazemos durante o dia, todos os dias, no mundo real. Claro que se torna mais fácil no mundo real onde estamos a viver num mundo de feedback não verbal quase constante, há cerca de 200 mil anos. Na Internet ainda estamos a tentar compreender os princípios básicos sobre o que costumava designar-se de netiqueta.
Os professores costumam dizer: se quer que as crianças percebam as consequências do que dizem online, faça-as dizê-lo em voz alta. É um bom começo, e por isso a Sophos sugere: se não diria algo a alguém pessoalmente, não o diga na internet.

Desconecte-se
Quer definir um modelo de bom comportamento para as suas crianças, proteger a sua conta e impedir o fluxo automático das redes sociais? Desconecte-se.
É verdade que se terminar sessão, da próxima vez que entrar na sua rede social terá de fazer o login novamente. E com a 2FA ativa, isso pode levar mais alguns segundos, tempo que poderia ser passado a assistir a vídeos de gatos fofinhos.
Iniciar e terminar sessão todas as vezes que utiliza as redes sociais pode ser chato e inconveniente, é verdade, mas evita dois tipos de atacantes. O primeiro é aquele que se faz passar por si, ao sentar-se na sua secretária quando não está presente, ou ao roubar o seu smartphone. O segundo é um hacker que utiliza um ataque denominado de Cross-Site Request Forgery (CSRF) que o leva a fazer coisas que não pretende, como fornecer acesso à sua conta, sem se aperceber.
Terminar sessão também evita que as redes sociais monitorizem as suas atividades na internet. Os localizadores utilizados para esta monitorização estão presentes em inúmeros websites e alimentam os grandes sistemas de recolha de dados com informação sobre o que está a fazer na internet, mas apenas se estiver com sessão iniciada.
Manter a sessão iniciada depois de sair da página é o mesmo que escrever a sua password num postit e colá-lo no seu ecrã quando vai beber café. Não iria fazer isso e não iria querer que as suas crianças o fizessem.




Mais notícias
PUB
PUB
PUB