EUA ajudaram a evitar ataque bombista na Rússia, dizem Kremlin e Casa Branca

Segundo as autoridades russas, o alerta do governo norte-americano permitiu que as agências de segurança do país prendessem os suspeitos antes destes levarem os seus planos a cabo.

Os Estados Unidos forneceram à Rússia informações de inteligência que ajudaram a evitar um ataque bombista potencialmente fatal em São Petersburgo, disseram ontem (17) autoridades norte-americanas e russas, numa rara demonstração pública de cooperação, tndo em conta das tensões entre os dois países nos últimos tempos. A informação é da Reuters.

O presidente russo, Vladimir Putin, telefonou ao presidente norte-americano, Donald Trump, neste domingo, para lhe agradecer a informação oferecida pelos EUA, que o Kremlin disse ter ajudado a evitar um ataque bombista contra a Catedral Kazansky de São Petersburgo, uma atração turística popular da segunda maior cidade do país, e noutros pontos da metrópole onde um grande número de pessoas se concentra, informou o comunicado do Kremlin.

Segundo as autoridades russas, o alerta do governo americano permitiu que as  agências de segurança do país prendessem os suspeitos antes deles levarem os seus planos a cabo. A Casa Branca não revelou detalhes sobre o plano, mas disse que o ataque “poderia ter morto um grande número de pessoas”. Os governos da Rússia e dos EUA não identificaram os detidos.

A Casa Branca indicou que a descoberta do plano é um sinal do que Washington e Moscovo são capazes de fazer se cooperarem. “Os dois líderes concordam que isto serve como exemplo das coisas positivas que podem ocorrer quando os nossos países trabalham juntos”, disse o governo americano, acrescentando que Trump agradeceu o telefonema de Putin.

Relações estremecidas

As relações entre Washington e Moscovo têm vindo a ser prejudicadas por desentendimentos relativos às guerras na Ucrânia e na Síria, embora Trump tenha prometido tentar melhorar os laços bilaterais durante sua campanha eleitoral.

Esse empenho foi dificultado por alegações norte-americanas – negadas pela Rússia – de que o Kremlin interferiu na eleição presidencial dos EUA no ano passado para ajudar Trump a vencer.
Autoridades russas dizem que Putin não acredita que o líder republicano tenha culpa pelas tensões. O telefonema de domingo entre os dois líderes foi, no mínimo, o segundo do género nos últimos dias – na última quinta-feira (14) os dois debateram a crise na Coreia do Norte.



Mais notícias