Elza, minha luz

O livro que, esta sexta-feira, chega às livrarias, carrega a injusta história de uma mulher que perdeu a vida para o cancro da mama. A mensagem é de força e prevenção para que vidas como a de Elza tenham finais mais felizes.

Escrito a quatro mãos por duas jornalistas, uma do Jornal Económico – Almerinda Romeira – e Edite Esteves, editora da revista Autores, o livro é baseado na história verdadeira de Elza Cristina da Palma Norberto, que morreu a 30 de setembro de 2011, aos 39 anos, com um cancro fulminante da mama, deixando a família devastada e uma filha de apenas oito anos.

Elza, para quem Almerinda era como família, confidenciou-lhe, cerca de um mês antes de morrer, que tinha começado a escrever um diário, onde estava a registar tudo o que lhe acontecera desde o início da doença. “Quero contribuir para que outras mulheres não passem pelo que eu estou a passar. Conto contigo?” Dois anos depois, com o luto feito, Almerinda arrasta a sua amiga Edite para o projecto.

A narrativa, em 158 páginas, começa com o nascimento de Elza – a 1 de julho de 1972 – na aldeia de São Bartolomeu do Sul, concelho de Castro Marim, no Algarve, junto à fronteira com Espanha, e vai evoluindo numa linha cronológica até chegar à doença, à qual é dedicado o maior capítulo – A Dor. Aí se dá testemunho da luta guerreira de Elza, que nunca se dá por vencida. A última parte do livro inclui testemunhos de saudade, nomeadamente da sua sublime e incansável mãe, Manuela, e poemas da sua filha Larita. Inclui também um documento importante reunido por Elza com informação detalhada sobre como lidar com as crianças numa doença prolongada. Sempre a pensar na filha, sempre a pensar nos outros. Inês Godet, investigadora na área do cancro da mama em Johns Hopkins University, através de um testemunho, contribui com o seu conhecimento para ajudar a fazer deste livro um documento mais poderoso. Os direitos foram cedidos pelas autoras à Associação Oncológica do Algarve.



Mais notícias