Decisão sobre eutanásia só depois da visita do Papa

A decisão sobre a eutanásia em Portugal só vai acontecer depois da visita do Papa Francisco a Fátima, a 13 de maio, avança o Expresso.

hospital_saude_1

A decisão sobre a eutanásia em Portugal só vai acontecer depois da visita do Papa Francisco a Fátima, a 13 de maio. A notícia é avançada pelo jornal Expresso que diz que para Marcelo Rebelo de Sousa “é do mais elementar bom senso não receber o Papa com a sociedade portuguesa a discutir a eutanásia”.

Depois da visita, o presidente da república não fecha portas a uma lei nem a um referendo.

O Parlamento debateu na passada quarta-feira a petição a favor da despenalização da morte assistida, uma medida já implantada em certos países da Europa.

A palavra eutanásia significa “boa morte”. Os adeptos da despenalização consideram este um ato de misericórdia, enquanto os signatários da petição contra a legalização da morte medicamente assistida consideram a medida uma violação dos princípios da Constituição e da dignidade da vida humana.

A petição “Direito a morrer com dignidade” conta com mais de oito mil subscritores e foi entregue em abril do ano passado na Assembleia.

Em espera estão os projetos do Bloco e PAN, relativos a esta matéria.

A petição defende que os portugueses ou residentes em território nacional devem poder optar pelo uso da eutanásia, desde que sejam maiores de idade e portadores de uma lesão definitiva e incurável, ou doença fatal, estando por essas razões numa condição de sofrimento constante.

  • xiiiiiiiiiiiiiiiiii

    Manda o papa tomar um ginja naquele lugar.

  • José, Província

    Espero que não se esqueçam do referendo!

    • O amarelo da carris.

      Você está gágá… mas qual referendo ?

      • José, Província

        O referendo obre a eutanásia obviamente.

        • O amarelo da carris.

          Nem pense nisso. Referendos com resultados não vinculativos ? Para quê ? Para se gastar dinheiro inútilmente ? É isso que você advoga ? Queimar dinheiro ?

          • José, Província

            A sr de Fátima está a mostrar o sr lado fascista/estalinista. Mas pronto não podemos ser todos democráticos.

          • O amarelo da carris.

            Você é que está a ser influenciado pela m€rda do catolicismo.

            Não é ?

          • José, Província

            Isso seria mais com você sra de Fátima!
            Não baralhe democracia com religião, o seu lado fascista/estalinista cada vez se revela mais.

          • O amarelo da carris.

            Você deve ser mais um católico fanático.

            Só pode.

  • Comentador

    A cobardia dos políticos… têm medo do Papa?

  • Jorge Marques de Tocqueville

    “é do mais elementar bom senso não receber o Papa com a sociedade portuguesa a discutir a eutanásia”

    É da mais evidente hipocrisia! Não basta termos centenas de mentecaptos a arrogarem-se o direito de votar de acordo com a sua consciência para decidirem à revelia dos eleitores, a quem não propuseram o assunto na campanha eleitoral, pelo menos em 80% da representação, mas ainda querem o melhor dos dois mundos: que venha o homem ajudar o turismo que depois falamos…

    Este Presidente-Palhaço está a revelar-se a pior nojeira eleita de sempre, ainda ontem violou gravemente o protocolo para mais tarde vir fazer todos de parvos afirmando que não divulgou a decisão da Fitch extemporaneamente…
    É de gente desonesta, como este se vai cada vez mais revelando, que os corredores políticos e académicos estão infectos e expulsam de si a integridade.
    Presidente-Palhaço-Mentiroso!

  • Jorge Lourenço Reis

    Como diria meu avô, “mas que raios tem uma coisa a ver com a outra?” Feitas as contas, o Papa é muito bem vindo para ajudar no turismo, principalmente pela rede hoteleira do Centro do País cujos preços para a data já ultrapassaram os limites da Galáxia. Será festejado pelos católicos e concordo que seja recebido como um Chefe de Estado amigo. Ponto final. As discussões sobre a Legislação portuguesa são de competência da Assembleia da República e, como deve ser neste caso, uma consulta ao povo português. Se assim não for, também devem ser ouvidos um Rabino, um Xeique, o Dalai, um Pai de Santo, etc.

    • Ferreira

      Mas como consulta ao povo português, se o povo português não manda em Portugal?
      Seja PR, PM ou AR, qual está a representar o povo português?

  • carlos

    Por aqui se vê a merdalheira e 3º mundismo desses politiqueiros e desgovernantes ordinários! parece que estão na idade mérdia a prestar vassalagem ao papa…hóstias! Com esss f. da p. como é que portugal não há-de ter a nota de “lixo”! E dizem-se “democratas” e que se está num estado laico! É uma série de contradições inaceitáveis! Dizem “servir” o povo e fazem o contrário, roubam e corrupções, mega-processos, saem ilicitamente ricos na maior impunidade! Dizem procurar justiça social e fiscal e fazem completamente o contrário! Quem é que vai acreditar nesses f. da p. politiqueiros e desgovernantes?!

  • Rafael

    Aprendi na escola que o estado português era laico..parece que me enganei.

  • Valentino

    A defesa pela continuidade da vida em sofrimento- e não aliviá-la, não é mais do que sadismo colectivo.

  • O amarelo da carris.

    Não fosse o Papa pedir para ser eutanasiado.

  • Alberto Sousa

    !!!! Não estamos num estado laico? E ainda há quem critique os italianos por taparem as estátuas de nus ao receberem o presidente do Irão! Este Marcelo saiu-me cá uma peça que só visto…hipócrita e burro todos os dias.

  • Mateus Cunha

    Os doentes terminais em sofrimento atroz que esperem sff com paciência e civismo (que remédio) que a igreja católica faça a sua encenação anual da maior treta da história da humanidade. A racionalidade que se vergue à fantasia, a compaixão da ciência médica que se genuflecta perante o delírio colectivo e a prepotência milenar da igreja.

    • Asas da Luz

      Para a gente ver a hipocrisia desta igreja, basta ir a África ou outros países do terceiro mundo ver gente adultos e crianças por todo o lado a morrer de fome e de sede, e eles, a igreja com os cofres cheios não fazem nada. Para muita gente é mais fácil, consumir as palestras na missa e acreditar cegamente no que eles pregam, para se livrarem do peso na consciencia, porque não dá tanto trabalho como o de pensar, reflectir, questionar, e criticar. Os padres não são santos nem intocáveis nem donos da verdade. Se em muitos casos a própria familia e o Estado não querem saber dos doentes para nada, os abandonam á sua sorte, a doença já não tem cura, o sofrimento e as dores são grandes, então mais vale mesmo deixá-los ir em paz e sem sofrimento.