Banco de Inglaterra mantém taxas de juro e compra de ativos à espera da inflação

Apenas um dos membros do comité de política monetária britânico votou a favor de uma subida dos juros, enquanto a manutenção das políticas acomodatícias foi decidida com unanimidade.

Toby Melville / Reuters

O banco central de Inglaterra (BoE) não alterou a política monetária, tendo mantido tanto a taxa de juro como o programa de compra de bonds governamentais e empresariais inalterados. No final da reunião de política monetária desta quinta-feira, o BoE anunciou em comunicado que as atuais políticas são ainda necessárias para alcançar a meta do banco de uma inflação em 2%, que sustente o crescimento económico e emprego.

A inflação acelerou acima da meta, tendo ficado em 2,3% em abril, devido à volatilidade da libra esterlina, numa altura em que o governo de Theresa May já iniciou as negociações para o Brexit. O BoE destaca que a moeda britânica apreciou 2,5% entre fevereiro e maio, mas permanece 16% abaixo do pico de novembro de 2015.

O impacto da subida dos preços “foi compensada, em certa medida, pelo crescimento moderado e contínuo dos custos domésticos”, que se reflete nos preços dos produtos produzidos no Reino Unido, refere o comunicado. “Em particular, o crescimento dos salários foi notavelmente mais fraco do que o esperado”.

“O Comité de Política Monetária espera que a inflação continue a acelerar acima da meta nos próximos meses, atingindo um pico abaixo de 3% no quarto trimestre do ano”, diz o BoE. “O Comité considera que o crescimento do consumo será mais lento no curto prazo do que o previsto anteriormente antes de se recuperar na última parte do período de previsão, à medida que o rendimento real aumenta”.

Apenas um dos membros do comité de política monetária, Kristin Forbes, votou a favor de uma subida das taxas de juro dos atuais 0,25%, contra sete votos contra. No que diz respeito à compra de ativos, a votação foi unânime. O BoE tem em curso um programa de compra de bonds governamentais no valor de 435 mil milhões de libras e de obrigações corporativas de 10 mil milhões de libras.



Mais notícias