InícioNotícia escrita porSónia Bexiga

sbexiga@jornaleconomico.pt

A eletricidade depara-se com três tendências: competitividade das renováveis, paradigma da produção distribuída e massificação dos veículos elétricos.

A evolução do mercado dos combustíveis em Portugal está alinhada com a União Europeia. Particularmente nos últimos 15 anos, os registos mostram que, em Portugal, o consumo da gasolina tem vindo a diminuir, enquanto o do gasóleo se mantém constante, exceto no período de crise económica.

O cenário estabelecido pelo World Energy Outlook 2017, divulgado pela Agência Internacional de Energia (AIE), elenca como grandes mudanças a marcar os nossos dias a rápida implantação e a queda dos custos das tecnologias de energia renovável; a crescente eletrificação da energia, a mudança para uma economia mais orientada para os serviços e um cabaz energético mais limpo na China; a par da resiliência do petróleo e do gás de xisto nos Estados Unidos da América. Este documento trouxe uma atualização completa relativa à oferta e à procura em 2040, com base em diferentes cenários.

A leitura do cenário de evolução do setor da energia em Portugal, para este ano, não é consensual entre os principais ‘players’ a operar no mercado nacional. Contudo, as empresas, num registo confiante, mostram estar atentas às exigências do mercado, nacional e internacional, bem como dos consumidores, ao procurar oferecer as mais diversas soluções. Entre as principais preocupações para este novo ano, surge, à cabeça, a questão do preço ‘da’ matéria-prima por excelência: o crude. Mas as atenções estão igualmente viradas para outros dossiês, como as alterações legislativas em resposta às diretrizes de Bruxelas, a carga fiscal ou os crescentes desafios colocados na esfera das fontes renováveis.

O "Tourism Training Talent" visa o aumento das competências dos alunos e profissionais, adaptando a sua formação às novas tendências, abrindo as escolas à comunidade e incentivando o empreendedorismo.

A ID Logistics antecipou todos os investimentos previstos em infraestruturas e espera um crescimento sigificativo em 2018.

O Grupo estima que a finalização da integração da Logiters em Portugal e Espanha, contribua para a melhoria da rentabilidade no 2º semestre de 2017.

A natureza estrutural e interconectada dos riscos em 2018 ameaça o sistema sobre o qual as sociedades, as economias e as relações internacionais estão baseadas, de acordo com o Global Risks Report. Predominam os riscos ambientais 2º ano consecutivo.