InícioNotícia escrita porShrikesh Laxmidas

slaxmidas@jornaleconomico.pt

Nunca pensei opinar sobre Bruno de Carvalho. No entanto, as atitudes do presidente do Sporting e de um minúsculo grupo de fanáticos leoninos em relação aos media nos últimos dias levam-me a escrever sobre um tema que me preocupa há muito tempo. Existe um grande e crescente défice de consideração pelos jornalistas em Portugal. Em larga parte, não tem fundamentação e cria uma situação contraproducente para a sociedade portuguesa.

No dia em que a diretiva sobre os mercados de instrumentos financeiros vai ser discutida no Parlamento, Gabriela Figueiredo Dias sublinhou que a medida vai dar um novo poder crucial aos reguladores - proibir a venda de produtos com risco e dano excessivo.

O conservadorismo demonstrado pela Galp no novo plano estratégico desiludiu os analistas, mas os cortes nos preços-alvo foram ligeiros. A petrolífera continua a ser vista como uma história de crescimento e o título até fechou a sessão de quarta-feira a subir.

O dia em Londres estava (sem grande surpresa) cinzento, e a reação dos mercados e da maioria dos analistas às notícias que a Galp apresentou na capital britânica esta terça-feira foi semelhante: neutra e sem grande ânimo.

Os salários baixos e a geografia aumentam a competitividade portuguesa e protegem contra a apreciação do euro. Com a ajuda do BCE e uma banca mais estável, o país é mais atrativo para os investidores, diz a economista.

A Galp anunciou um aumento de 10% no dividendo a pagar pelo exercício do ano passado. O CEO da empresa explicou em Londres que a melhoria da remuneração acionista foi possível graças ao bom momento na economia e aos resultados fortes da petrolífera.

Carlos Gomes da Silva explicou que a petrolífera vai aproveitar a larga experiência que acumulou no Brasil para participar em duas rondas de licenciamento no país este ano. Salientou, contudo, que o foco principal é extrair mais valor dos ativos que já tem em carteira.

A petrolífera anunciou resultados acima dos esperados e um aumento de 10% nos dividendos, mas as boas notícias não estão a superar a desilusão sobre o plano de investimento apresentado no Capital Markets Day esta terça-feira.