InícioNotícia escrita porShrikesh Laxmidas

slaxmidas@jornaleconomico.pt

Um muro, impostos unilaterais às importações e rejeição dos tratados comerciais. O isolacionismo que o novo presidente americano quer impor está a preocupar os líderes mundiais.

A imagem é chocante. Numa galeria de arte, a lente capta o assassino em direto - na mão direita a arma do crime, na mão esquerda erguida, o dedo indicador aponta para cima e, na cara, uma expressão de pura raiva e glória a fazer lembrar um avançado que acaba de marcar um golo. No chão, a menos de um metro do homicida, a sua vítima, um homem baleado nas costas.

A melhoria do balanço da petrolífera portuguesa abre a porta para novas oportunidades de crescimento, diz o banco de investimento. Quanto ao lucro do quarto trimestre, prevê uma subida de 15% face aos três meses anteriores.

Portugal colocou o montante máximo indicativo. As taxas continuaram em terreno negativo e até desceram face aos leilões anteriores. A procura foi forte.

“Esperar demais para remover a estratégia acomodatícia seria imprudente, eventualmente levando o comité a ter de aumentar as taxas mais rapidamente, o que arriscaria perturbar os mercados financeiros e empurrar a economia para uma recessão", disse a presidente da Fed.

A presidente da Fed vai discursar hoje e amanhã no Congresso pela primeira vez depois das eleições. Qualquer sinal sobre um aumento de taxas em março vai abalar os mercados.

O ministério das Finanças já reagiu às previsões da Comissão Europeia. Sublinha a redução na projeção do défice e a revisão "em forte alta" para o crescimento económico.

A previsão da Comissão Europeia é suportada pelo boom do turismo e fica ligeiramente acima da do Governo, que estima uma expansão de 1,5% em 2017. Bruxelas vê o défice público a cair de novo este ano, para 2% do PIB face aos 2,3% de 2016.