InícioNotícia escrita porRita Garcia Pereira, Advogada

Tenho para mim que não há pessoas mais interessadas na permanência da Autoeuropa em Portugal do que os seus trabalhadores.

Independentemente do que se possa vir a apurar, como foi possível tal descaminho durar tanto tempo numa instituição de interesse público?

A lição que fica é a de que o inimigo não se tornou menos perigoso mas, apenas, mais subtil. O machismo ainda existe e, por via da regra, quando se manifesta está nos lugares mais cimeiros.

A Segurança Social transformou-se num pântano, onde apenas os utilizadores por sistema, em muitos casos justamente aqueles que abusam dele, conseguem navegar.

Cada vez mais é oportuno relembrar conceitos básicos e constitucionalmente consagrados, entre os quais avultam o do trabalho igual/salário igual e o da conciliação entre o tempo de trabalho e o tempo de repouso.

Ao contrário do que seria expectável, os meios humanos afectos aos tribunais administrativos não foram reforçados e não se vislumbra qualquer melhoria nos demais.

Na prática, segundo se percebe, Bava era uma espécie de banco, por cujas práticas, também, pagam os trabalhadores da PT.

A classe jornalística tem sido, a par dos bancários, um dos principais alvos da crise económica, com o decretamento de sucessivos despedimentos coletivos.