InícioNotícia escrita porLeonor Mateus Ferreira

lmferreira@jornaleconomico.pt

Desde Fundos de Tesouraria até aos de índices de ações, as escolhas são muitas e os riscos variam consoante o apetite. O primeiro passo crucial é perceber os prós e contras de um mercado complexo.

A Rússia já assegurou que os jogos de guerra vão respeitar as regras internacionais, mas a NATO e as autoridades norte-americanas continuam a ter dúvidas sobre os exercícios militares que vão acontecer em setembro.

Do outro lado do Atlântico, a dificuldade de Donald Trump em concretizar os projetos eleitorais estão a impulsionar o interesse dos investidores pela Europa.

O BCE destaca, no entanto, que a quantidade de contrafações permanece muito reduzida, em comparação com o número de notas de euro genuínas em circulação, que continua a aumentar.

A decisão do FMI de aprovar um acordo de princípio para uma aprovação condicionada segue-se ao desembolso de mais uma tranche do terceiro resgate a Atenas acordado entre os ministros das Finanças da zona euro, em junho.

A valorização da moeda única deve-se ao facto de o presidente do BCE, Mario Draghi, ter indicado ontem as discussões sobre o fim do programa de compra de ativos irão começar no outono.

O ambiente de taxas de juros em mínimos históricos obrigou a uma recomposição dos ativos, explica Rui Broega, diretor de gestão de ativos do BiG. O investidor português procura segurança, mas o momento acelerado das bolsas também é aliciante.

"A inflação ainda não é o que queremos que seja. Estamos confiantes de que gradualmente chegará lá, mas ainda não está lá", explicou o presidente do BCE para justificar porque é que o programa de compra de ativos ainda é necessário.