InícioNotícia escrita porLeonor Mateus Ferreira

lmferreira@jornaleconomico.pt

Apesar do otimismo, os analistas do ING considera que os efeitos vão ser apenas um impulso a curto prazo para as ações e para as 'yields' das Treasuries à medida que a dívida nacional aumenta.

As obrigações angolanas com maturidade em 2025 recuaram 8%, a melhor performance no índice de mercados emergentes da agência Bloomberg.

O encaixe financeiro vai servir para reembolsar o empréstimo de curto prazo que tinha realizado em maio de 2017.

O índice de referência nacional deverá continuar a falhar o número de componentes que lhe dá nome pelo menos até março.

Em contraciclo com as bolsas da zona euro, o índice britânico FTSE 100 está a ser penalizado pelo processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

A subida do 'rating' de Portugal pela Standard and Poor's e a compra de ativos pelo Banco Central Europeu são apontados como as principais razões para a descida nos últimos meses. O BCE deverá ter causado uma queda de 140 pontos base nas 'yields' nacionais.

Apesar do risco de 'shutdown' parcial do governo, Art Hogan, estrategista-chefe de mercados da B. Riley FBR em Boston, acredita que os mercados deverão passar imunes.

Os índices norte-americanos não param de valorizar. Apesar do revés desta semana, as tecnológicas têm sido as estrelas da festa.