InícioNotícia escrita porAndré Abrantes Amaral, Advogado

Para que a Europa sobreviva é preciso que Macron vença em França e Merkel ganhe na Alemanha. Se um deles falhar, a UE corre o sério risco de desaparecer.

A França perdeu a sua identidade e o Estado Republicano e Laico, que era o seu garante, traiu-a.

Tal como nada se fez para se aproveitar o euro e subir os salários, nada se fez nos últimos meses para tirar proveito das ajudas do BCE, do baixo preço do petróleo e das matérias-primas.

Por que motivo é que a visão europeia de Thatcher foi ignorada? Porque era demasiado pragmática. Porque antevia problemas que poucos quiseram ver quando tudo corria bem.

Os anúncios de Trump já estão a estimular a economia e as bolsas fervilham na Europa. Como o socialismo, tão avesso à especulação, tanto queria.

A sorte de Costa tem uma data limite. Mesmo em cima das autárquicas, que o PS espera vencer. A sorte de Costa é o nosso azar. Não poupa, não investe, nem canaliza dinheiro para quem pode fazer a economia crescer.

Macron tem 38 anos e, além de cortês, é alguém de esquerda que se define como não socialista. É o primeiro de muitos que estão para chegar.