APIT: “Estamos perante uma severa opressão da tributação”

Nuno Barroso, presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Inspeção Tributária, critica voracidade do sistema fiscal que recai sobre famílias e empresas. E reforça papel de trabalhadores do fisco no caminho da justiça fiscal.

Cristina Bernardo

O presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Inspeção Tributária (APIT) faz um balanço “extremamente positivo” do 3º Congresso de Auditores Fiscais e Aduaneiros que se realizou, esta semana, no Porto, num evento que que é apontado como “uma referência mundial”. Nuno Barroso revela que serão entregues às diferentes forças políticas as soluções e respostas que resultaram do debate do evento: O caminho para a justiça fiscal. E deixa, em entrevista, a sua visão sobre algumas das realidades e desafios dos auditores fiscais.

Qual é o balanço que faz do 3º Congresso Luso-Brasileiro de Auditores Fiscais e Aduaneiros?

Extremamente positivo. Não apenas porque foi possível duplicar o número de participantes em comparação com o evento nacional de 2016 (entre congressistas e oradores participaram cerca de 300 profissionais), mas porque foi possível reunir um conjunto de oradores (políticos, contabilistas, fiscalistas, inspetores, juristas, académicos) de enorme qualidade de ambos os países.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.




Mais notícias
PUB
PUB
PUB