Amazon pode vir a entrar no mercado farmacêutico

Logo após a notícia ter sido divulgada pela imprensa norte-americana, tanto a CVS Health quanto a Walgreens – potenciais rivais no setor – fecharam Wall Street com as ações a caírem mais de 3% nas negociações.

Noah Berger/REUTERS

A multinacional de comércio eletrónico Amazon mudou a forma como os norte-americanos (e o mundo) fazem compras e navegam online. Agora, a gigante norte-americana de Jeff Bezos quer dar um passo em frente e apostar no mercado de cuidados de saúde, com a oferta de medicamentos e produtos farmacêuticos aos utilizadores na sua plataforma online.

Segundo avança o canal de televisão norte-americano ‘CNBC‘, a entrada da Amazon no mercado farmacêutico, que tem vindo a ser discutida nas reuniões anuais da empresa nos últimos anos, parece estar a ganhar um novo folgo. As informações mais recentes dão conta de que a empresa estaria a recrutar pessoal da indústria farmacêutica para vir integrar a equipa e já havia selecionado uma pessoa responsável por gerir o projeto.

Além disso, a empresa, que tem por hábito testar novos serviços nos mercados estrangeiros antes de trazê-los para os Estados Unidos, estreou-se recentemente na venda de produtos farmacêuticos e cosméticos através de seu serviço de entrega Prime Now no Japão, no mês passado.

Logo após a notícia ter sido divulgada pela ‘CNBC’, esta terça-feira, tanto a CVS Health quanto a Walgreens – potenciais rivais no setor – fecharam Wall Street com as ações a caírem mais de 3% nas negociações.

No entanto, a colocação em prática da ideia não se avizinha fácil. A distribuição de medicamentos é suscetível de uma grande dor de cabeça com as políticas reguladoras e a entrega atempada de produtos perecíveis, como medicamentos, pode vir a implicar uma nova estratégia para a empresa.

Mais notícias