InícioEmpresasAlmaraz: Urânio que já não serve para produzir energia armazenado a 100 km de Portugal

Almaraz: Urânio que já não serve para produzir energia armazenado a 100 km de Portugal

O ministro do Ambiente português reúne-se esta quarta-feira com os ministros espanhóis do Ambiente e da Energia, em Madrid, para tentar “encontrar uma solução de consenso” sobre a central nuclear de Almaraz.

central-almaraz

Espanha quer armazenar na central nuclear de Almaraz resíduos que são produzidos noutras centrais nucleares e que já não servem para produzir energia. Francisco Ferreira, dirigente da associação ambiental Zero, alerta que “os elementos de combustível que já não se utilizam ainda são altamente radioativos”, característica que mantêm durante milhões de anos.

As barras de urânio gasto, urânio 238, serão guardadas em contentos metálicos ou de betão acima do solo, o que por si não constitui risco acrescido, refere Francisco Ferreira.

No entanto, tendo em conta que o Armazenamento Temporário Individualizado (ATI) do material pode durar entre 60 a 100 anos, os ambientalistas estão preocupados com a possibilidade de o prazo previsto de laboração da central de Almaraz – até 2020 – possa vir a estender-se.

O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, vai estar esta quarta-feira reunido com os ministros espanhóis do Ambiente e da Energia, em Madrid, para tentar “encontrar uma solução de consenso” e exigir um estudo ao impacto transfronteiriço da proposta espanhola.

O Governo espanhol garante que “o processo do armazém temporário individualizado de resíduos nucleares de Almaraz não está encerrado”. No caso de o projeto acarretar consequências negativas para Portugal, o país ameaça levantar uma queixa junto da Comissão Europeia.

O projeto de criação de um depósito centralizado dos resíduos de todas as centrais foi anunciado por Espanha em 2011, mas nunca chegou a arrancar. A central nuclear de Almaraz, localizada a 100 km de Portugal, começou a ser construída em 1971 e conta atualmente com dois reatores nucleares em operação, um desde 1981 e outro desde 1983. Em 2010 foi previsto o seu encerramento, que foi entretanto prolongado por Espanha até junho de 2020.

  • asdrubal

    Para aqueles que sao contra uma central nuclear em portugal isto devia ser tema, se sao contra produzir energia deviam ser ainda mais contra so ter os residuos da producao a porta.

    • Honesto_Honoris Causa

      Nos países inteligentes, evoluídos, e com respeito pelos seus próprios cidadãos (os espanhóis) e pelos outros povos, os armazéns de material radioactivo esgotado, vulgo lixo nuclear, são guardados em túneis perfurados em grandes montanhas de granito e longe de cursos de água ou nascentes, tuneis que são reforçados com paredes grossas de betão armado especial e chumbo, são autênticos ninhos para resistir durante milhares de anos…. Porque a radioactividade dura muitos molhares de anos…

      As Centrais nucleares são construídas dentro de grandes piscinas isoladas ESTANQUES e longe das povoações, ou próximo do Oceano para que em caso de acidente a água radioactiva de arrefecimento se dilua COM BILIÕES DE LITROS…
      Os espanhóis não fizeram nem fazem nada disto!!!
      Até para a própria população espanhola, os governantes espanhóis são uns (não posso escrever senão apagam, o texto)!!

      • Frederico Carvalho

        Que países são esses?

        • Honesto_Honoris Causa

          Suécia, Alemanha, França.

          • Frederico Carvalho

            E EUA!

  • Berto

    De Espanha poderá vir bons ventos e casamentos, mas nunca boas aguas radioactivas do Tejo

  • O ginja garafal

    Continuam como sempre a ser contra só porque sim. Todos os países desenvolvidos têm ou tiveram energia nuclear e os que a abandonarem só com outras que as substituam em preço e segurança, nós os letrados somos contra só porque temos “Franciscos Ferreiras” incompetentes.

  • Pedro_SLB_LX

    Acordo de consenso: Portugal baixa as calças enquanto Espanha aumenta a espessura das paredes do edifício em 1 metro.

  • Born in 1960

    Antes 100 barragens, que 1 central nuclear.

    • Carlos Fialho

      Meu caro amigo. O perigo nuclear, é um fantasma com que nos acenam, como propaganda politica e económica. Uma Central hidroeléctrica, uma barragem, tem muito mais influência ambiental, do que as suas 100 centrais, mas nucleares. O perigo nuclear, para não dizer zero, é praticamente inexistente. Uma estrada nacional de circulação de 90 km/h, à sua porta, é muito mais perigosa do que uma Central Nuclear.

      • Born in 1960

        Fique lá com as suas centrais nucleares. Pois vivo há muitos anos junto de uma barragem e ela até veio beneficiar o meio ambiente envolvente.

        • Carlos Fialho

          AH, sim. Deve- lhe ter posto ao pé da porta, uma praiazinha, árvores bonitas, relva, cafés e restaurantes chiques, etc. Esquece, é que modificou todo o meio ambiente, natural, existente conforme a natureza o fabricou, forçando a modificações cujos consequência só daqui a muitos anos darão frutos.

          • Born in 1960

            Piores recordações para as gerações vindouras têm deixado as centrais nucleares. E não. Não foi criado nenhum ambiente que descreve.

      • jo

        Os Ucranianos não devem discordar da sua opinião…

        • Carlos Fialho

          Não sei: nunca lhes perguntei, mas o que se tem por lá passado, de certeza que já os fez esquecer esse dsastre.

      • vai para chernobil, o que andas cá a fazer?

        • Carlos Fialho

          O que este governo ucraniano fez, já prejudicou mais aquele país do que a Central com o seu desastre ecológico.

      • Honesto_Honoris Causa

        Almaraz é um local de porcaria, (muito perigoso) é uma planície com cursos de água livre, a Central não está numa BACIA ISOLADA ( um caixão) de betão reforçado, em caso de acidente há infiltrações de águas contaminadas.

        A pequena albufeira de águas de refrigeração, é em terra!!! com comportas miseráveis, é um dique igual aos das plantações….se houver uma fuga de radioactividade para a albufeira, esta não estará protegida em caso de cheias (está numa planície) ou de fortes chuvas, a radioactividade irá 100% de certeza para o Tejo.
        As centrais modernas nunca ficam perto de rios importantes, só os burros espanhóis, Espanha é tão grande!!!!!!!!!!!! Pá! A costa é tão grande! Têm tanto mar.

        • Carlos Fialho

          …., e o mar?, também não é poluível?
          O problema das Centrais Nucleares, está na segurança e, como diz, no armazenamento do lixo, que se calhar, poderia ser aproveitado para outras necessidades energéticas.

  • Viva Portugal

    Pela importância máxima que tem para Portugal, o Costa devia estar presente..

    Mas decidiu andar a viajar até á terra do seu pai, a título pessoal, COM O DINHEIRO DOS CONTRIBUINTES !!!!

    ELE NÃO PODE ANDAR A PASSEAR PELA TERRA DO PAPÁ COM O NOSSO DINHEIRO !!!!!!
    (fazia apenas a visita de Estado, promovendo investimento, MAIS NADA!)

  • LucasFilho

    Perdoem-me a má criação mas este ministro é um merdas, se tivesse vergonha não ia a Madrid, é que ele indo lá ainda corremos o risco dos espanhóis viram depositar o urânio em frente ao Palácio de Belém.

  • Pedro_SLB_LX

    Houve no passado uns estudos para uma central em Ferrel (salvo erro junto à Figueira de Foz)…anos 80…

    • Anonimo
      • Pedro_SLB_LX

        Certo. Dossier Ferrel – Peniche…

        Quanto é que custaria uma central Nuclear com 2500 MW de potência (~ 2× C.Sines)? Imagino que mais de 1200 milhões de euros, não?

        E será que Portugal terá know show para a explorar?

        • Anonimo

          para nao ficar a margem desse conhecimentome que foi montado um reactor em sacavem, ja tinha colocado,este comentario

          Há um reator nuclear às portas de Lisboa

          http://expresso.sapo.pt/economia/economina_energia/ha-um-reator-nuclear-as-portas-de-lisboa=f638259

          guerra fria começava a aquecer e a luz azul brilhava pela primeira vez em Portugal. Estávamos em 1961 e o reator nuclear de Sacavém, às portas de Lisboa, nascia à luz do programa norte-americano Átomos para a Paz.

          Mas nada disto teria acontecido se Portugal não fosse um país amigo dos Estados Unidos da América e se não tivesse assinado uma declaração segundo a qual o reator nacional seria apenas usado para aplicações pacíficas.

          E foi naquele mesmo ano que chegou a Lisboa a primeira remessa de combustível – urânio altamente enriquecido, a 90% -, para que a cisão nuclear acontecesse pela primeira vez em Portugal.

          O reator português foi construído exclusivamente para fins de investigação científica, e assim se manteve até hoje. No Instituto Tecnológico e Nuclear (ITN) trabalham 300 pessoas, das quais 70 são investigadores.

          • Pedro_SLB_LX

            Obrigado. É na Bobadela…passo por lá por vezes.

            Pode-se visitar?
            Por exemplo com a Ciência Viva?

          • Anonimo

            se se pode visitar? nao faço ideia.

  • Anonimo

    Há um reator nuclear às portas de Lisboa

    http://expresso.sapo.pt/economia/economina_energia/ha-um-reator-nuclear-as-portas-de-lisboa=f638259

    guerra fria começava a aquecer e a luz azul brilhava pela primeira vez em Portugal. Estávamos em 1961 e o reator nuclear de Sacavém, às portas de Lisboa, nascia à luz do programa norte-americano Átomos para a Paz.

    Mas nada disto teria acontecido se Portugal não fosse um país amigo dos Estados Unidos da América e se não tivesse assinado uma declaração segundo a qual o reator nacional seria apenas usado para aplicações pacíficas.

    E foi naquele mesmo ano que chegou a Lisboa a primeira remessa de combustível – urânio altamente enriquecido, a 90% -, para que a cisão nuclear acontecesse pela primeira vez em Portugal.

    O reator português foi construído exclusivamente para fins de investigação científica, e assim se manteve até hoje. No Instituto Tecnológico e Nuclear (ITN) trabalham 300 pessoas, das quais 70 são investigadores.

  • iFernando

    A grande cidade mais próxima é Madrid a menos de 200 kms……