A megatendência do digital está a transformar o ecossistema do setor automóvel

Durante muitos anos, os construtores de automóveis dispunham de vantagens estratégicas clássicas que protegiam os seus modelos de negócio: marcas de confiança, manufatura de excelência, regulamentação protecionista e escala.

O advento da era digital, possibilitado pelo efeito combinado das quatro forças da disrupção, nomeadamente a disponibilidade e acessibilidade de informação, o decréscimo dos custos de transação, a descentralização de decisões e a desmaterialização, resultou numa rápida transformação da indústria automóvel, criou novas oportunidades e desafios, estando a economia digital a derrubar as barreiras à entrada nesta indústria.

Esta nova economia obriga todos os players do ecossistema automóvel, (‘incumbentes’ e novos) a alavancar as tecnologias digitais de forma a transformar as suas operações core, enquanto observam a regulamentação, garantem a privacidade dos dados e, simultaneamente, se protegem de possíveis ciber-ameaças.
O digital, enquanto tecnologia facilitadora, pode ajudar o ecossistema automóvel a enfrentar os desafios estratégicos colocados pelos vetores da mudança enunciados a vários níveis, como por exemplo ao nível da:

– Cibersegurança e regulamentação
– Manufatura e supply chain
– Desenvolvimento de veículos
– Modelo de negócio
– Retalho, distribuição e pós-venda

Algumas das soluções digitais já existentes podem assegurar uma resposta a um ou mais destes vetores, como por exemplo:
– Blockchain, aplicações móveis, chatbots:
– Alavancar as tecnologias de blockchain para descentralizar a mobilidade e utilizar múltiplas plataformas (aplicações móveis, chatbots) de forma a estabelecer uma ligação direta tanto a clientes como a consumidores.
– Mobility as a service
o Alavancar o desenvolvimento de novas ofertas, (como por exemplo mobility-as-a-service) para os novos clientes de mobilidade.
– Automação robótica de processos (RPA) e cloud
– Utilizar capacidades analíticas avançadas para compreender evoluções da procura e para análises financeiras em tempo real.
– Utilizar a RPA e a cloud para assegurar melhoria da eficiência operacional de serviços (incluindo os partilhados) e para melhorar a colaboração numa perspetiva interna e multi-negócio.
– Alavancar a recolha eletrónica de dados dos processos operacionais.
– Utilizar predictive analytics e técnicas digitais como Realidade Aumentada, Realidade Virtual e simulações. l



Mais notícias