50 anos do Maio de 68: a vitória de Raymond Aron

Se Mitterrand foi o melhor que a esquerda saída do Maio de 68 conseguiu produzir, Macron é a imagem de uma França que já digeriu os acontecimentos de há 50 anos.

Falar do Maio de 68 implica recordar o Movimento de 22 de Março desse ano. Nesse dia, alguns estudantes de extrema-esquerda ocuparam a Universidade de Nanterre num protesto contra a guerra no Vietname. Os seus organizadores, Daniel Cohn-Bendit e Jean-Pierre Duteuil, foram detidos por terem participado na redacção de uma brochura de propaganda que ensinava como preparar cocktails Molotov. As autoridades libertaram-nos pouco depois.

O começo

No primeiro de Maio de 1968, Daniel Cohn-Bendit, que nem sequer era francês, foi a faísca que tornou tudo possível quando, ao serviço da CGT (uma confederação sindical comunista), se envolveu em alguns confrontos. A partir daí assistiu-se ao deflagrar de uma série de manifestações que abalaram a França. Perceber isto, o que está na base dos acontecimentos que marcaram os meses de Maio e Junho de 1968, é indispensável para, 50 anos depois, sermos capazes de analisar friamente o que se passou naqueles dias, o que aconteceu nas décadas seguintes e o que estava planeado mas acabou por não suceder, como alguns idealizavam.

Como também é importante reconhecer que o Maio de 68 não se deu em Maio de 1968 por acaso. Nesse ano, precisamente nesse mesmo mês, passavam 23 anos do fim da Segunda Guerra Mundial. Os jovens de então, esses jovens que encheram as ruas de Paris, não tinham vivido a guerra mas estavam fartos das limitações que esta impunha. A eles, aos pais, a todos. Quem sobrevive ao horror dá graças por estar vivo contentando-se com o que há. O problema não era a falta de ambição – afinal os 30 anos gloriosos deram-se depois da guerra e não mais se repetiram – mas o viver-se de forma contida, sem efusões de maior que o maior era mesmo estar vivo.

A Universidade e as greves

O forte progresso económico francês do pós-guerra levou a um aumento do número de estudantes universitários. Se em 1960 eram 200 mil, já em 1968 atingiam o meio milhão. Um crescimento que resulta não só do aumento da população no seu todo (46 milhões, em 1960 – 51 milhões, 1968), mas também da Universidade ter passado a ser o destino possível de qualquer jovem francês e não apenas dos filhos das classes médias-altas. A estratificação social diluiu-se nas universidades francesas e as expectativas dos estudantes mudaram.

Com o sucesso económico, o Estado precisa de quadros formados nos moldes que se conhecem então: futuros servidores, jovens bem-educados, respeitadores das regras sociais, cumpridores dos deveres que uma sociedade contida precisa. Mas esses jovens que nunca viram a guerra, esses jovens que já não pertencem apenas à classe média-alta que servia o Estado, não estão para aí virados. Querem mais. Houve quem o tenha pressentido, alguns deles professores com um contacto directo com a nova realidade universitária, como Paul Ricoeur e Raymond Aron. Por sinal, dois dos filósofos que ficaram à margem do movimento, que percebendo as críticas dos estudantes não aceitaram o condicionamento político a que estes foram depois submetidos.

O facto da Universidade não estar à altura das aspirações dos jovens foi o pretexto para o acender do rastilho. Cohn-Bendit usou o Vietname, onde a França não estava, utilizou a violência e depois o controlo perdeu-se para gáudio de muitos e desespero do Estado. A Universidade mudou, mas de forma informe, quase sem nexo, com professores vexados, uma democratização e igualitarismo extremos que apenas a desprestigiaram.

A reforma da Universidade, a redução de valores a palavras de ordem que mais não exprimem que emoções, conduziram a insatisfação crescente à necessidade de revolta. À afronta, o Estado respondeu com confronto. Em resultado, os sindicatos solidarizaram-se com os estudantes exigindo mais direitos para os trabalhadores. A 10 de Maio têm início as greves que se vão estendendo a todo o país; greves a que nem os acordos de Grenelle (25 de Maio) põem termo. Dividido, o Partido Comunista, que domina vários sindicatos, acaba por ceder à força das manifestações e as greves continuam por mais alguns dias. A expectativa é que o caos lhe seja favorável.

No entanto, a 30 de Maio, De Gaulle dissolve a Assembleia Nacional e convoca eleições legislativas para 30 de Junho. A vitória da direita é avassaladora com perto de 60% dos votos e 394 dos 485 assentos parlamentares. A crise termina, mas deixa marcas.

Un homme n’est pas stupide ou intelligent, il est libre ou il n’est pas.”

Uma das consequências do Maio de 68 foi o ataque à cultura. Cultura vista como a percepção, a capacidade de apreensão de algo superior que nos une, nos liga a todos e nos permite continuar capazes de sobreviver aos sobressaltos da história. A partir de 68 a cultura passa a ser encarada como uma nova arma política, um mero instrumento para a revolução. Trata-se da ‘banalização da cultura’, usando a expressão de Alain Finkielkraut (“La Défaite  de la pensée” – Gallimard, 1989). Cultura anunciada por todo o lado mas que não existe, não se delimita e se usa como meio para uma agenda política. Propaganda. O homem já não se define por saber ou não saber, por querer saber ou por não querer saber, por conhecer ou não conhecer, ser inteligente ou estúpido ou ignorante, culto ou inculto, mas apenas e tão-só por ser ou não ser livre. O que é a liberdade depois se verá: alguém entre os que reduziram a cultura a pó estará capacitado para definir o que significa essa  palavra.

É também Finkielkraut, desta vez com Pascal Bruckner, que tece a primeira crítica consistente à ‘revolução sexual’ saída do Maio de 68. Em “Le Nouveaux Désordre Amoureux” (Points), os dois filósofos definem o amor como algo demasiado concreto para se poder revolucionar. O amor não é política, nem tudo pode ser política e nem tudo melhora apenas porque se vira o mundo de pernas para o ar. Os dois acusam a revolução sexual de 68 de ser profundamente machista, uma revolução da qual a mulher é a principal vítima. Um trajecto iniciado há 50 anos e que alguns crêem estar agora a terminar com o #MeToo.

Hoje em dia, a imagem idílica que muitos têm do Maio de 68 já se esfumou. A ideia de uma massa de jovens unidos aos trabalhadores e prontos a derrubar a ordem política estabelecida, com De Gaulle à cabeça, uma revolução dos costumes que acabaria na mudança do regime, já não existe. O mito morreu porque a realidade nunca foi essa. Os estudantes queriam mais liberdade, outra forma de ensino, um diferente acesso às carreiras docentes; queriam fugir a uma contenção comportamental que a guerra que não tinham presenciado impunha, mas não queriam a revolução, virar o mundo do avesso, reduzir o passado a pó para que outros amanhãs cantassem. Esse mito foi uma tentativa da extrema-esquerda, partido comunista incluído, de tentar a sua sorte.

Foi precisamente essa ideia que Raymond Aron combateu. Para Aron era necessário diferenciar a luta dos estudantes da dos extremistas. Disse-o na altura e repetiu mais tarde. Aron não aceitou, nunca poderia aceitar, que se confundisse a política com a Universidade, se reduzisse esta àquela. Também para ele nem tudo era política, nem tudo devia ser mudado apenas porque sim, sem regras, porque as regras, desde que justas, nos protegem da anarquia e do totalitarismo.

Hoje em dia parece fácil dizê-lo mas na época foi um atrevimento. Mesmo no início do anos 80, pouco antes da sua morte, Aron continuou, para estupefacção dos que não entendiam porque não reconhecia o que era na generalidade aceite por todos, a separar os estudantes dos extremistas, a Universidade da Revolução, o país dos revolucionários. A liberdade da anarquia, a cultura da propaganda. E se coragem alguém teve na época foi Aron, que disse sozinho o que pensava, não se escondendo atrás dos estudantes que enchiam as ruas.

O que ontem era turvo hoje vê-se de forma límpida. As palavras vãs esfumaram-se, a inflação e o terrorismo dos anos 70 desiludiram e a recuperação económica dos anos 80 trouxe o fim das utopias. Se Mitterrand foi o melhor que a esquerda saída do Maio de 68 conseguiu produzir, Emmanuel Macron – que chegou a colaborar com o outro crítico do Maio de 68 que foi Paul Ricoeur – é a imagem de uma França que já digeriu os acontecimentos de há 50 anos.

Macron que, à semelhança de Michel Rocard – o socialista moderado derrotado por Mitterrand – foi profundamente marcado pela obra de Ricoeur. Este assumia-se como cristão protestante e, tal como Aron, criticou os excessos do Maio de 68 ao mesmo tempo que apoiava as reivindicações universitárias dos estudantes. 50 anos passados, os filósofos que a França lê e ouve já não são Sartre ou Marcuse, mas Bruckner, Finkielkraut e novamente Aron e Ricoeur. Como Phillipe Douroux, antigo chefe de redacção do Libération, escreveu nesse mesmo jornal em Julho de 2017, a razão estava do lado de Raymond Aron. De certa forma, a França deixou de gritar e passou a ouvir a voz da razoabilidade e da objectividade. O Carnaval, como o filósofo definiu aquele tempo, acabou.

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.




Mais notícias
notícia anterior