Wifi: 22 mil pessoas não leram os termos de utilização (e arrependeram-se)

Costuma ler os termos e condições? Cerca de 22 mil pessoas não o fizeram e inscreveram-se para efetuar mil horas de serviço comunitário em troca de wifi grátis.

O fornecedor público de wifi, a ‘Purple’ adicionou um termo de condição (a brincar) na rede de hotspots de marca para ilustrar a “falta de consciência do consumidor”.

Ao concordar com os termos e condições, as pessoas inconscientemente assinaram uma “cláusula de serviço comunitário” para limpar casas de banho, durante mil horas. Surpreendentemente, durante duas semanas, apenas uma pessoa apercebeu-se da cláusula.

A partida faz parte do anúncio da ‘Purple’ que é o primeiro fornecedor de wifi compatível com o regulamento geral de proteção de dados (GDPR), que está em sintonia com a nova legislação do governo do Reino Unido, que entra em vigor em maio de 2018. As novas leis GDPR vão introduzir uma condição que exige “consentimento inequívoco” antes que os dados pessoais ou comportamentais dos utilizadores possam ser usados para fins de marketing.

“Os utilizadores do wifi precisam ler os termos quando se inscrevem para aceder a uma rede. A nossa experiência mostrou o quanto é fácil concordarmos com algo, sem nos apercebermos”, disse Gavin Wheeldon, CEO da Purple, à Mashable.

Felizmente, a empresa não tem intenção de forçar ninguém a limpar os WC.