Wall Street ‘de olhos postos’ em Washington

Agitação em torno do presidente preocupa os mercados, receosos pela possibilidade da agenda política prometida não se concretizar de todo. O indicador de volatilidade de acções dos EUA aumentou.

Os mercados norte-americanos negoceiam em terreno positivo, apesar da preocupação dos investidores com a situação política em Washington.

A polémica relativa à partilha de informações do presidente Trump com o ministro dos Negócios Estrangeiros russo reflectiu-se no mercado, em particular no índice financeiro. O S&P500 iniciou a perder 0,2% para 2.356,65 pontos.

O Departamento de Justiça escolheu hoje um conselho especial para investigar se os russos tiveram ou não influência na eleição de 2016 e ainda, o problema da partilha de informações ao Kremlin confirmada pelo presidente. Recorde-se que Trump pediu ao diretor do FBI, James Comey, para suspender a investigação antes de o demitir.

A agitação em torno do presidente preocupa os mercados, receosos pela possibilidade da agenda política prometida não ser vir mesmo a concretizar.

Apesar do rally Trump, iniciado ainda antes do republicano se tornar presidente e que levou os índices a baterem recordes, o indicador de volatilidade de acções dos EUA aumentou.

“O mercado reverterá para uma volatilidade muito maior e isso +e só o começo”, disse Richard Haworth, diretor de investimentos da 36 South Capital Advisors, um fundo de hedge sediado em Londres, à Bloomberg.

Assim, o industrial Dow sobe 0,09% para 20.626,33 pontos, o financeiro S&P 500 valoriza 0,29% para 2.363,85 pontos e o tecnológico Nasdaq ganha 0,63% para 2.363,85 pontos.

O dólar valorizou pela primeira vez em sete dias, beneficiado pela fraqueza das moedas correntes do mercado emergente, com a agitação política no Brasil a juntar-se ao caos já existente nos EUA.  As ações brasileiras caíram 10% com a crise que se faz sentir no país.

PUB
PUB
PUB