Wall Street abre com perdas no final do trimestre

Brexit, retrocesso do presidente na reforma da saúde e eleições francesas agitam os mercados que não conseguem perspetivar o rumo da economia.

BRENDAN MCDERMID/Reuters

No último dia do trimestre a praça norte-americana negoceia em terreno negativo. Os investidores mostram receio em relação à política e economia, tanto dos EUA como a nível global.

Os eventos da actualidade, em especifico o Brexit, o retrocesso do presidente na reforma da saúde e as eleições francesas, agitam os mercados que não conseguem perspectivar o rumo da economia.

“A política dá muitas vezes lugar à economia, e Trump, e os mercados, estão a descobrir isso da maneira mais difícil. A única coisa clara é a falta de clareza”, refere o grupo de analistas da ING Groep NV, liderado por Mark Cliffe.

As eleições em França funcionam como um “teste” à ascensão do populismo europeu, apoiado pelo presidente norte-americano, segundo declarações do mesmo.

“De acordo com a 3ª estimativa, no último trimestre do ano passado, a economia do país apresentou uma expansão de 2.10%, depois dos 3,50% no 3º trimestre, mas comparativamente aos 1.90% anteriormente avançados e aos 2% estimados”, divulga o BPI.

Hoje, o industrial Dow perde 0,20% para 20,687.67 pontos, o financeiro S&P 500 recua 0,05% para 2,366.85 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 0,01% para 5,913.34 pontos.

Para hoje está prevista a publicação do indicador da inflação associada ao consumo das famílias, um instrumento largamente utilizado pela Reserva Federal.

Serão ainda divulgados o índice de confiança dos consumidores da Universidade de Michigan e o índice de actividade económica.

Mais notícias
PUB
PUB
PUB