Wall Street abre animado com Yellen no Congresso

Bolsas e juros da dívida seguem em alta nos EUA, enquanto o dólar desvaloriza, depois das declarações da presidente da Fed no Congresso norte-americano.

Reuters

Os principais índices bolsistas norte-americanos abriram esta quarta-feira a negociar em alta, impulsionados pelos comentários da presidente da Reserva Federal norte-americana. A tendência de subida foi acompanhada pelas yields dos Treasuries, enquanto o dólar segue em queda.

Janet Yellen reafirmou, num discurso no Congresso, que a Fed vai diminuir os estímulos à economia norte-americana ainda este ano, apesar da aceleração pouco robusta da inflação nos EUA. O banco central espera também que a evolução da economia garanta aumentos graduais nas taxas dos federal funds ao longo do tempo.

Depois das declarações, o índice industrial Dow Jones avança 0,69% para 21.555,85 pontos, enquanto o financeiro S&P sobe 0,71% para 2.442,80 pontos e o tecnológico Nasdaq ganha 0,84% para 6.245,35 pontos.

Os juros da dívida norte-americana a dez anos cai para próximo de 2,32%, enquanto o dólar segue a depreciar-se contra as pares britânica e japonesa. A moeda norte-americana desvaloriza 0,21% para 0,777 libras e 0,59% para 113,270 ienes. Já contra a moeda única, o dólar aprecia-se 0,49% para 0,876 euros.

“As águas ficaram mais turvas”, diz o estrategista de ativos da UBS, Bhanu Baweja, em entrevista à Bloomberg, sobre as declarações de Janet Yellen. “”Há uma maior incerteza política. De repente, a recuperação do capex que todos esperamos há muito tempo, pode ser adiada ainda mais. É importante para a economia e, portanto, é importante para a Fed, o médio prazo”.

No mercado petrolífero, os preços seguem em alta, depois da divulgação de inventários que indicam uma queda nas reservas da matéria-prima a nível global. O Brent negociado em Londres sobe 2,02% para 48,48 dólares por barril, enquanto o valor do crude negociado em Nova Iorque avança 2,58% para 46,20 dólares por barril.





Mais notícias