Venezuela: EUA ameaçam impor sanções “pesadas e rápidas” se Maduro prosseguir com Constituinte

O presidente norte-americano deixa um recado a Caracas dizendo que "se o regime de Nicolás Maduro mantiver eleições para a Assembleia Constituinte a 30 de julho, os Estados Unidos tomarão medidas económicas pesadas e rápidas".

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaça tomar “medidas económicas pesadas e rápidas” caso o homólogo venezuelano, Nicolás Maduro, prossiga com os planos de criar uma nova Assembleia Constituinte para reforçar o seu poder à frente do Governo. O anúncio do líder norte-americano surge depois de no domingo mais de sete milhões de venezuelanos terem votado num referendo contra Maduro promovido pela oposição.

Num comunicado emitido pela Casa Branca, Trump felicita a iniciativa tomada pela oposição ao regime de Nicolás Maduro, que deu vitória (com 98% dos votos) ao ‘não’ na consulta popular de domingo sobre as eleições convocadas pelo presidente para o dia 30 de julho, para eleger novos deputados para a Assembleia da República, que exerce o poder legislativo na Venezuela.

“Ontem [domingo], o povo venezuelano deixou claro que defendem a democracia, a liberdade e o Estado de direito. No entanto, as ações fortes e corajosas da população continuam a ser ignoradas por um líder que sonha em se tornar um ditador”, pode ler-se no comunicado.

O republicano deixa, por isso, um recado a Caracas dizendo que “se o regime de Nicolás Maduro mantiver eleições para a Assembleia Constituinte a 30 de julho, os Estados Unidos tomarão medidas económicas pesadas e rápidas”. A Casa Branca admite a possibilidade de vir a aplicar um pacote de sanções em setores-chave, como o da energia, que é um dos principais motores da economia venezuelana.

“Os Estados Unidos não ficarão parados enquanto a Venezuela desmorona”, sublinha o presidente norte-americano.