“Valor da Yupido não é muito alto para o mercado”, diz presidente da empresa

Em entrevista ao Jornal Económico, Torcato Jorge, co-fundador e 'chairman' da empresa, diz que a Yupido não pode ser comparada a outras empresas do PSI20, porque é uma startup de tecnologia, com outra estrutura.

Cristina Bernardo

O presidente da Yupido defende, em entrevista ao Jornal Económico, que os 28,7 mil milhões de euros de capital social da empresa não podem ser comparados com as valorizações de empresas industriais portuguesas, mas sim com as das tecnológicas globais, como a Microsoft, Facebook, ou Snapchat.

“Fomos muitas vezes comparados à Galp, mas esta é uma empresa que dentro do seu setor, a nível mundial, é pequena. Nós não somos uma Galp, somos uma startup tecnológica que se concentra única e exclusivamente a criar serviços e tecnologias que vão servir as empresas, as pessoas, e que vão criar novas formas de interação entre empresas, pessoas e governos”, diz Torcato Jorge.

“Nós podemo-nos comparar com a Google, a Microsoft, a Apple. Por isso, esta questão com o capital inicial e, depois, com o aumento [de capital] é pública e, penso, está clara”, reforça.

Torcato Jorge diz que a Yupido é uma “startup tecnológica, que tem uma operação completamente distinta de todas as empresas portuguesas”.

A Yupido foi constituída em julho de 2015, já com um capital social superior a 243 milhões de euros. A criação deveu-se, segundo Torcato Jorge, a “um grupo de empreendedores, de diversas áreas”, onde se inclui.

Depois, o seu capital social foi aumentado em 28,5 mil milhões de euros, através da incorporação de ativos intangíveis.

Estes ativos são, segundo foi agora noticiado, têm por base uma plataforma digital – os serviços relacionados – que foram avaliados naquele montante por um revisor oficial de contas em Portugal.

Uma avaliação “exaustiva”

Ao Jornal Económico, Torcato Jorge explica que se tratou de “um processo de avaliação exaustivo, esgotante, e extensivo para as pessoas que trabalham na empresa, porque foi praticamente um ano de constante auditoria, revisão, explicação de técnica, apresentações a várias pessoas e constantes validações, por ser um valor interessante para nós”.

“Não é um valor muito alto para o mercado porque, se formos ver, o valor do Netflix é três vezes maior”, disse.

A avaliação foi feita por António Alves da Silva, que foi presidente da Sociedade Portuguesa de Contabilidade, é membro do Conselho Superior da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas e consultor da Rogério Fernandes Ferreira e Associados, uma sociedade de advogados.

“É uma das pessoas mais respeitadas da área e nós procurámos uma pessoa com uma visão única”, diz Torcato Jorge. “O ROC [revisor oficial de contas] utilizou os métodos que à data eram os mais corretos para avaliar um ativo intangível desta espécie, que é o discounted cash flow, que é o mais utilizado tanto aqui [em Portugal] como nos Estados Unidos, para avaliar este tipo de conteúdos tecnológicos”, acrescenta.

“Por exemplo, o Snapchat foi avaliado em 15 mil milhões quando faturava zero, tinha três anos de idade e tinha 20 empregados. Também tiveram os seus auditores. Como nós fomos os primeiros a ter este tipo de avaliação em Portugal, é normal as pessoas quererem saber porquê. Em cinco anos, o Snapchat foi para bolsa, sem ter lucro, com prejuízos e não se sabe quantos funcionários tem. Não tem nenhuma sede construída, tem escritórios espalhados pela Califórnia inteira e não dizem onde, protegem os investidores ao máximo. Então porquê esta avaliação? Porque a tecnologia que está incorporada no modelo de negócio deles e a possibilidade de ganhos futuros faz com que a empresa à data esteja assim avaliada”, justifica.

Em entrevista ao Jornal Económico, Torcato Jorge diz que as investigações que estão a ser feitas pelas autoridades à Yupido vão dissipar dúvidas.

“Está em processo uma análise para averiguar quais são as medidas que têm de ser tomadas pelo Ministério Público, pela Procuradoria-geral da República e pela Polícia Judiciária e isso é ótimo. Tenho a certeza de que no final da análise ou investigação – se existir – se vai concluir que efetivamente está tudo bem e nós vamos ganhar força com isso. As pessoas vão perceber que esta situação não é esquisita”, afirma.

“Informámos a PJ na passada sexta-feira, através de email e de uma carta registada, da nossa predisposição para cooperar com eles com qualquer tipo de informação que queiram. E até pedimos ajuda porque estamos a ser assolados com contactos, mas no final tenho a certeza absoluta que não vão ter nada a apontar”, sublinha.

“Portugal tem um potencial incrível”

O presidente da Yupido diz que a empresa é um player tecnológico português, mas de operação global, independentemente de uma futura sede se situar, ou não, em Portugal.

“Apesar de termos iniciado atividade em Portugal, não quer dizer que operemos só em aqui. Decidimos abrir em Portugal porque acreditamos que tem um potencial incrível, além do português ser uma das línguas mais faladas no mundo”, diz, justificando: “Portugal é o país da europa mais próximo dos EUA. Os fusos horários são excelentes, relativamente à Irlanda, Reino Unido, e até à Rússia. O mercado português é sempre um bom mercado para fazer testes, é um bom mercado piloto”. “No entanto, o nosso serviço nunca vai ser nacional, vai ser sempre um serviço a nível mundial”.

Torcato Jorge diz que a empresa já iniciou contactos para a construção de uma sede, mas não garante que seja em Portugal, apesar de ser essa a intenção.

“Já iniciámos algumas diligências relativamente ao projeto da construção de uma sede. Mas somos uma startup – como o próprio nome indica estamos a iniciar e a formar as nossas equipas. E temos, sim, vários escritórios, espalhados”, explica, recusando, no entanto, revelar os locais exatos de operação. “Não nos interessa estar a divulgar onde esses escritórios estão. Para efeitos legais existe uma sede social da empresa e cumprimos os requisitos legais. A Apple, por exemplo, tem uma sede enorme, mas os projetos mais secretos não acontecem dentro da sede – têm edifícios espalhados em várias cidades, onde colocam os funcionários, com contratos de confidencialidade muito grandes e é lá que nascem os projetos, que depois vão para a sede para serem comercializados”, diz.

O responsável pela Yupido, que é, simultaneamente, o seu segundo maior acionista, com 29,4% do capital, diz que Portugal tem muitas coisas interessantes, “mesmo do ponto de vista fiscal”.

“O nosso sistema fiscal é um dos mais evoluídos da Europa, o fisco é altamente automatizado; o Governo português é super tecnológico e é ótimo trabalhar com eles. É claro que empresas desta dimensão são ‘aliciadas’, mas nós queremos ficar aqui”, diz.

Yupido: primeiro serviço vai ser para apoio a empreendedores e lançado em 2018





Mais notícias