Professor universitário acredita que “confusão” russa vai por fim à dinastia política de Trump

Philip Bobbitt descreve a demissão do presidente como "a possibilidade mais provável" para que este se "safe" das condenações relacionadas com os alegados envolvimentos com a Rússia nas eleições presidenciais de 2016.

É muito provável que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se demita, por causa da crise constitucional causada pelo seu genro e pelo seu filho, prevê um professor de direito da Universidade de Columbia.

Philip Bobbitt descreve a demissão do presidente como “a possibilidade mais provável”.

Os e-mails divulgados por Donald Trump Jr. mostram que ele se encontrou com uma advogada russa, no verão passado, assim como o genro de Trump, Jared Kushner, e Paul Manafort, o então presidente da campanha republicana.

“Quaisquer que sejam os objetivos da política [de Trump], há muito tempo que ficou claro que criar uma dinastia – destruíndo as duas dinastias políticas reinantes na última campanha – é o seu maior objetivo”, escreve o professor Bobbitt, no Evening Standard.

“A renúncia, que pode parecer uma hipótese muito remota agora, pode ser uma escolha que o presidente fará para salvar o seu filho da prisão, e também para se salvar a ele próprio de futuras acusações.”

O professor universitário defende que a demissão é a melhor forma de sair desta “confusão” criada pelas alegadas relações com a Rússia, relativamente às eleições presidenciais dos EUA.

O professor Bobbitt é sobrinho do ex-presidente Lyndon B Johnson (36º presidente dos Estados Unidos) e é um teórico muito respeitado no meio académico. Atuou como conselheiro especial de todos os presidentes dos EUA desde o seu tio, exceto Nixon, George W Bush e agora… Donald Trump.

 



Mais notícias