Trump: Uma conversa em off que se transformou em press release

Donald Trump volta a surpreender a comunidade internacional, depois de uma conversa em off com os jornalistas a bordo do Air Force One, numa viagem presidencial de Washington para Paris, que se tornou um press release.

O presidente norte-americano, Donald Trump, voltou a falar sobre vários assuntos considerados polémicos, à imprensa. Mas desta vez a conversa em off tornou-se num comunicado realizado pela Casa Branca.

Numa viagem presidencial de Washington para Paris, Trump falou aos jornalistas sobre vários temas considerados polémicos. Desde o relacionamento com a Coreia do Norte, o acordo comercial com a China e com a Coreia do Sul e o possível relacionamento com Vladimir Putin.

O presidente salientou a importância de corrigir o acordo comercial com a China e com a Coreia do Sul, acordos estes que considera “horríveis”.

“Temos de corrigir o negócio com a China, porque é muito, muito não recíproco”, disse em comunicado, citado pela Bloomberg.

No que diz respeito à Coreia do Sul, deixou claro que um novo acordo deve ser realizado, pois o anterior já fez com que os Estados Unidos perde-se cerca de 40 mil milhões de dólares (34,9 mil milhões de euros).

“Esta é mais uma das beldades de Hillary Clinton. Um acordo horrível, por isso começamos a renegociar”, acrescentou.

Contrariamente, a Coreia do Sul, Trump considera que uma das pontes fortes que existe entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte é o comércio.

Energia solar e Putin

Trump foi questionado sobre a energia solar e afirmou que não estava a brincar sobre o assunto, mas que sugeria a construção de uma parede solar, pois poderia ser uma das soluções para o problema.

“Não existe melhor local para a energia solar do que a fronteira do México, a fronteira Sul. É uma boa mudança, podemos fazer uma parede solar, parece bem”, disse.

Na oportunidade, aproveitou para clarificar o seu relacionamento com Putin, salientando que não existia nenhuma desavença entre os dois e que na ocasião certa irá convidá-lo para visitar a Casa Branca.

O presidente dos Estados Unidos reconhece que o seu ponto de vista pode não agradar a todos, mas que se dissesse que não o faria, estaria a ser um “tolo”.

“Se nós não mantivermos um diálogo, seremos uns tolos”, afirmou.

Donald Trump aproveitou para esclarecer que os principais lucros económicos da Rússia proveem da venda de petróleo e que o país precisa dele para tornar-se no maior produtor de energia.

“Vou produzir muito mais energia do que qualquer outra pessoa que já esteve no poder”, afirmou Donald Trump em comunicado.

Acrescentando que, simplesmente, pretende fazer ótimos acordos com a Rússia.



Mais notícias