Trump pode cancelar hoje acordo com Irão, assinado por Obama em 2015

O presidente norte-americano deve apresentar o seu plano num discurso na Casa Branca, depois de várias semanas de discussões internas entre o presidente e a equipa de segurança nacional.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, admitiu uma abordagem mais agressiva contra as atividades iranianas no Médio Oriente, correndo o risco de complicar as relações dos EUA com aliados europeus. Espera-se que esta sexta-feira o presidente suspenda o acordo nuclear com o Irão.

Trump deve apresentar o seu plano num discurso hoje, na Casa Branca, depois de várias semanas de discussões internas entre o presidente e a equipa de segurança nacional, segundo escreve a Reuters.

O acordo foi assinado em 2015 e tinha como objetivo o entendimento entre os dois países, uma vez que o Irão se comprometeu a congelar o avanço nuclear e os Estados Unidos levantaram todas as sanções que tinham sido impostas. Donald Trump defende que o país iraniano não cumpriu os objetivos e chamou o acordo de “pior acordo alguma vez feito”.

A decisão de Trump não retira automaticamente os Estados Unidos do acordo, mas daria ao Congresso 60 dias para decidir se vão voltar a impor as sanções no país, suspensas pelo ex-presidente Barack Obama.

O chefe de gabinete da Casa Branca, John Kelly, disse na passada quinta-feira que a estratégia dos Estados Unidos relativamente a este assunto passa também por trabalhar com os aliados no Médio Oriente, para conter as atividades do Irão.

As autoridades europeias descartaram a renegociação do acordo, mas partilham as preocupações de Trump com a influência destabilizadora do Irão no Oriente Médio. A China disse que espera que o acordo permaneça intacto e a Rússia avisou que uma retirada dos EUA do acordo teria consequências negativas.

 



Mais notícias