“Temos ‘know how’ e recursos humanos muito bons na área ambiental”

Presidente da Associação de Jovens Empresários Portugal China (AJEPC) defende que as empresas portuguesas devem aproveitar a aposta que o colosso asiático pretende realizar no combate à poluição e na proteção ambiental.

Cristina Bernardo

O mercado chinês tem oportunidades crescentes para as empresas portuguesas dos setores das energias renováveis, tratamento de resíduos, águas e protecção ambiental, disse ao Jornal Económico o presidente da Associação Portuguesa de Jovens Empresários Portugal China (AJEPC), Alberto Carvalho Neto.

“A China está a apostar cada vez mais na proteção do ambiente e isto abre oportunidades para as empresas portuguesas destes setores”, disse o líder associativo à margem do Fórum e Exposição Internacional de Cooperação de Macau (MIECF), que decorre até amanhã no antigo território chinês sob administração portuguesa.

“Temos ‘know how’ e recursos humanos muito bons”, disse Alberto Carvalho Neto, dando o exemplo de várias empresas que participam na delegação organizada pela AJEPC. No total, a comitiva da associação integra 27 entidades, entre empresas, associações empresariais e dois municípios (Ourém e Paredes).

Após três décadas de forte crescimento económico, as autoridades chinesas pretendem reduzir a poluição atmosférica e limpar os cursos de água do país. No MIECF, que este ano assinala a sua décima edição com o tema.

“Desenvolvimento verde inovador para um futuro sustentável”, um representante do governo de Pequim afirmou que “o Comité Central do Partido Comunista e o Conselho de Estado têm colocado grande ênfase na proteção do Ambiente”. Para o governo chinês, “proteger o ambiente é proteger a produtividade” e o objetivo é ter “uma China com céus azuis e verdes prados”. O governo chinês considera, além disso, que a indústria da energia verde e da proteção ambiental poderá ser uma fonte de riqueza, representando um valor acrescentado de 2,8 triliões de renmimbis [cerca de 377 mil milhões de euros] em 2020.

Após a participação no MIECF 2017, a associação de jovens empresários prepara a Feira & Fórum Internacional de Negócios, que terá lugar entre os dias 21 e 23 de junho, no Porto, reunindo empresários e associações chinesas e de países de língua portuguesa e espanhola, entre 21 e 23 de junho.

Alberto Carvalho Neto afirma que esse evento no Exponor pretende “mostrar a união nacional” entre as diferentes entidades e associações empresariais. “Queremos mostrar que Portugal é o local certo para virem fazer negócios com o mundo”, explica o dirigente associativo, que pretende que a FIN se torne um impulsor de relações socioeconómicas entre as várias firmas envolvidas.

Estarão presentes várias associações empresariais internacionais, como a Federação Ibero-Americana(FIJE), a Confederação Jovens Empresários Brasil (CONAJE), o Bloque MercoSur e a Liga de Empresários de Angola, entre outras.

O jornalista viajou a convite da Associação de Jovens Empresários Portugal China (AJEPC) e da organização do MIECF 2017

PUB
PUB
PUB