Telecomunicações: Clientes NOWO/Cabovisão são quem mais pondera mudar de operador

Estudo aponta que existe "alguma inércia associada à mudança", uma vez que, "metade dos clientes não mudou nem ponderou mudar de prestador nos últimos 24 meses", com cerca de 18% a ter concretizado uma mudança.

A MEO é o prestador de telecomunicações que os clientes mais mudam de operador, ainda que os clientes da NOWO/Cabovisão sejam os que mais ponderam mudar. As conclusões são do estudo sobre “Custos de Mudança de Prestador de Serviços de Comunicações Eletrónicas Faturados Conjuntamente”, publicado pela ANACOM.

“Entre os inquiridos que mudaram de prestador nos últimos 24 meses para um prestador diferente do atual, o prestador anterior à mudança com maior proporção (relativamente à respetiva dimensão) é a MEO”, refere o relatório.

Segundo o estudo, entre os clientes que ponderaram mudar mas não mudaram de operadora, verificam-se quotas mais elevadas da MEO, face a todos os restantes indivíduos, e em particular face aos que mudaram de prestador, apontando os preços mais competitivos do novo prestador, o pacote geral mais atrativo e a melhor cobertura geográfica de rede como os principais motivos.

No entanto, o estudo aponta que existe “alguma inércia associada à mudança”, uma vez que, “metade dos clientes não mudou nem ponderou mudar de prestador nos últimos 24 meses”, com cerca de 18% a ter concretizado uma mudança.

As mudanças de prestador de serviços de comunicações eletrónicas em Portugal é atualmente percepcionado como “fácil”. Ainda assim, salienta que, “em Portugal, e para as entidades nacionais inquiridas, na mudança de prestador de serviços de comunicações eletrónicas o utilizador final possui custos que advêm do cancelamento do contrato no decorrer do período de fidelização (na proporção do que ainda falta pagar em termos dos benefícios atribuídos e do custo de instalação)”.

“As associações de consumidores entrevistadas consideram que o cliente final tem de pagar uma quantia elevada que não justifica a realidade dos custos do prestador”.



Mais notícias