Symantec e Kaspersky seguem o rasto do ataque informático até à Coreia do Norte

As duas companhias especialistas em anti-vírus dizem que estão a investigar pistas que sugerem que um grupo ligado à Coreia do Norte pode estar por detrás do ciberataque da semana passada, avança a Reuters.

A empresas de segurança informática Symantec (norte-americana) e Kaspersky (russa) têm pistas técnicas que sugerem que o grupo Lazarus, ligado à Coreia do Norte, pode estar por trás do ataque cibernético global, avança a Reuters.

As duas companhias especialistas em anti-vírus dizem que estão a investigar pistas que sugerem que um grupo ligado à Coreia do Norte pode estar por detrás do ciberataque da semana passada.

A Symantec e a Kaspersky estão a analisar se hackers do Grupo Lazarus foram responsáveis por infectar cerca de 300 mil máquinas em 150 países.

As investigações começaram quando a Casa Branca disse que pagar o dinheiro do resgate para destravar arquivos criptografados pelo cyberattack global não resulta.

A administração do presidente Trump estima que cerca de  70.000 dólares foi pago aos criminosos por trás do vírus “ransomware” até agora.

A Agência Nacional de Segurança e o FBI também estão a trabalhar em conjunto para encontrar os responsáveis por trás do ataque que afetou o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, Ministério do Interior da Rússia, empresas como FedEx e Nissan e centenas de outros governos e companhias.



Mais notícias