STCP encerra semestre com resultados operacionais positivos em 586 mil euros

Número de passageiros transportados pela STCP durante o primeiro semestre deste ano aumentou 6,4%, para 36,6 milhões de passageiros.

A STCP – Sociedade de Transportes Coletivos do Porto encerrou o primeiro semestre deste ano com resultados operacionais positivos em 568 mil euros, o que contrasta com os 5,2 milhões de euros negativos verificados na primeira metade do ano passado.

A empresa responsável pelos transportes coletivos rodoviários de passageiros na Área Metropolitana do Porto obteve no período em análise uma receita operacional de cerca de 22,5 milhões de euros, o que representou um crescimento de 7,5% face ao período homólogo de 2016.

Os resultados financeiros, apesar de negativos em 823 mil euros, registaram uma melhoria face aos quase 15 milhões de euros negativos verificados no primeiro semestre do ano passado.

A mesma tendência ocorreu com os resultados líquidos que foram negativos em 244 mil euros no primeiro semestre deste ano, contra os cerca de 20,2 milhões de euros negativos averbados pela STCP nos primeiros seis meses de 2016.

Também o EBITDA melhorou apesar de continuar em terreno negativo, passando cerca de 2,2 milhões de euros negativos para cerca de um milhão de euros negativo.

A atividade desenvolvida pela STCP no primeiro semestre deste ano também foi positiva no que respeita ao número de passageiros transportados, que cresceu 6,4%, para 36,6 milhões de  passageiros.

A gestão da STCP deverá passar formalmente nos próximos dias para a órbita da Junta Metropolitana do Porto, que reúne os interesses das autarquias da região do Grande Porto.

Quanto a perspetivas até ao final deste exercício, no relatório divulgado há minutos pela CMVM – Comissão do Mercado de Valores mobiliários, a administração da STCP estima, até ao final deste ano, ” a adjudicação dos concursos públicos lançados no primeiro semestre do ano, relativos à aquisição de 173 autocarros movidos a gás natural, de 15 autocarros movidos a eletricidade e respetivas infraestruturas de carregamento e ao posto de abastecimento de gás natural para a estação de recolha da Via Norte, atualmente apenas com frota a gasóleo”.

Do ponto de vista operacional da STC, a administração da empresa refere que já foram submetidos os pedidos de autorização às tutelas (Ambiente e Finanças) para contratação de novos motoristas e guarda-freios, bem como de técnicos de manutenção

 

 



Mais notícias