Sonae vai investir 45 milhões em central de cogeração

Esta entidade, SIAF - Energia, detém e opera a central de cogeração instalada na unidade industrial da Sonae Arauco em Mangualde e é detentora de uma licença para o desenvolvimento e exploração de uma nova central termoeléctrica de cogeração alimentada a biomassa florestal com potência eléctrica de 10MW,

A Sonae Capital, SGPS, SA (Sonae Capital) informou o mercado que, através da sua participada CapWatt, SGPS, SA (CapWatt), adquiriu, hoje, à sociedade Sonae Arauco, SA (Sonae Arauco), por um preço global de, aproximadamente, 900 mil euros (acrescido das disponibilidades), acções representativas de 90% do capital social e direitos de voto da Sociedade de Iniciativa de Aproveitamentos Florestais-Energia, S.A. (SIAF-Energia).

“Esta entidade detém e opera a central de cogeração instalada na unidade industrial da Sonae Arauco em Mangualde e é detentora de uma licença para o desenvolvimento e exploração de uma nova central termoeléctrica de cogeração alimentada a biomassa florestal com potência eléctrica de 10MW, cujo investimento será realizado pela CapWatt e que substituirá a central actualmente em operação (incluindo a venda de energia térmica à referida unidade industrial)”, explica um comunicado da Sonae Capital.

Esse documento acrescenta que “o montante global de investimento a realizar pela CapWatt na referida central termoeléctrica ascenderá a 45 milhões de euros, com entrada em exploração prevista para o segundo semestre de 2019 e irá ocorrer, em parte, em simultâneo com o investimento que está a ser realizado pela Sonae Arauco na modernização e aumento de capacidade da referida unidade industrial”.

“Este investimento enquadra-se na estratégica de longo prazo da Sonae Capital para o seu segmento de energia e, em particular, no reforço e desenvolvimento da tecnologia de cogeração. Em velocidade cruzeiro, esta operação deverá registar um volume de negócios anual de, aproximadamente, 20 milhões de euros e rentabilidade em linha com os demais projectos de cogeração desenvolvidos pela CapWatt”, garante o referido comunicado.

A CapWatt, SGPS, SA e a Sonae Arauco, SA ficaram ainda, respectivamente, com uma opção de compra e uma opção de venda, das acções representativas da parte remanescente do capital social, as quais podem ser exercidas dentro do prazo de cerca de três anos.



Mais notícias