Sonae, EDP e NOS são as ações nacionais preferidas do Bankinter para 2018

No outlook para este ano, os analistas do banco espanhol indicam que as três cotadas do índice PSI 20 deverão beneficiar da aceleração da economia nacional.

Reuters

Otimista em relação ao crescimento português em 2018, o Bankinter está a apostar especialmente em três ações nacionais. No outlook para este ano, os analistas do banco espanhol identificam a Sonae, a EDP e a NOS como ações do índice PSI 20 que deverão beneficiar da aceleração da economia nacional.

” Sonae é um excelente veículo para ganhar exposição à melhoria do contexto económico português, uma vez que está presente em vários setores da economia, como o retalho, imobiliário ou industrial”, referem sobre a retalhista que valorizou 16% desde a publicação do relatório trimestral anterior.

Segundo o Bankinter, a dona dos supermercados Continente “irá beneficiar da forte melhoria do consumo das famílias portuguesas”. Valorizam ainda a melhoria da rentabilidade da Sonae SR, a maior geração de caixa devido à estratégia de monetização de ativos imobiliários pela Sonae RP como pela Sonae Sierra e a aposta na área de saúde e bem-estar através da aquisição da Go Natural e da Brio.

Sobre a EDP, os analistas do Bankinter acreditam que a recente queda da cotação representa uma boa oportunidade de compra para 2018. “Apesar do mau momento operacional, derivado da seca que assolou Portugal no outono, a EDP é uma das nossas ações preferidas”, explicam, apontando para o modelo de negócio diversificado, a crescente exposição ao negócio das energias renováveis e a recente venda de ativos regulados de gás (Naturgas e Portgas).

“Acreditamos ainda que a empresa poderá sair beneficiada do processo de consolidação do setor energético. A rentabilidade por dividendo é bastante atrativa (6,5%), sendo que a empresa anunciou este ano o primeiro aumento de dividendo desde 2012”, explica o relatório.

A terceira ação preferencial é da NOS, em que vêem potencial de preços atrativos, apesar da recente recuperação em bolsa. “Em termos operacionais, a empresa tem registado, consecutivamente, aumentos do número de subscritores em todas as linhas de negócio, assim como ganhos de quota de mercado”, refere o banco de investimento espanhol.

“A empresa está a “colher os frutos” dos avultados investimentos realizados nos últimos anos, não só na captação de clientes, mas também na modernização da sua rede e no alargamento da cobertura. Ultrapassado este período de forte investimento, a empresa está agora a entrar num ciclo de maior geração de free cash flow”, acrescenta.





Mais notícias